Política

Pichação com sigla do PCC sugere morte de políticos em Campo Grande

Muro de condomínio de luxo foi pichado 

Midiamax Publicado em 21/01/2016, às 10h26

None
img-20160121-wa0001.jpg

Muro de condomínio de luxo foi pichado 

Uma pichação em um muro do condomínio Alphaville, em Campo Grande, deixa a classe política em alerta. A pichação, em condomínio de luxo, sugere morte de políticos e tem uma sigla usada pelo Primeiro Comando da Capital (PCC).

“Vai morrer político”, diz a pichação, com a sigla utilizada pelo PCC: Paz, Justiça e Liberdade (PJL). O PCC é a maior organização criminosa do Brasil e comanda rebeliões, assaltos, sequestros, assassinatos e o narcotráfico.

Os políticos de Mato Grosso do Sul estão envolvidos em vários escândalos, inclusive com repercussão nacional. Delcídio do Amaral (PT) está preso por conta da Operação Lava Jato, o governo de André Puccinelli (PMDB) é investigado por suposto desvio de milhões em obras e nove antigos servidores chegaram a ficar presos.

Em Campo Grande o vice-prefeito Gilmar Olarte, vários vereadores e empresários são suspeitos de um golpe para cassar Alcides Bernal. Eles são investigados na operação denominada Coffee Break.

É comum ouvir crimes relacionados a grupo. Recentemente, um fato curioso marcou o interior do Estado, na cidade de Coronel Sapucaia, que faz fronteira com o Paraguai. Cinco bandidos fortemente armados aterrorizaram moradores enquanto caçavam outro criminoso em uma região conhecida como ‘buracão’, próximo ao país vizinho. A movimentação chamou a atenção de moradores, que acionaram a polícia.

Chegando ao local os policiais se depararam com pelo menos cinco bandidos encapuzados e armados com fuzis, pistolas e coletes à prova de balas, que se apresentaram como integrantes da facção criminosa conhecida como PCC (Primeiro Comando da Capital), comandada principalmente por presidiários de alta periculosidade.

Os bandidos ordenaram aos policias ‘que não se metessem’ na ação, pois eles estavam ali para ‘empurrar o tonzinho’, gíria usada para assassinato.

Jornal Midiamax