Política

Para evitar embaraços financeiros, prefeituras terão de demitir, acredita Assomasul

Presidente de entidade recomenda ainda cortes de secretarias

Celso Bejarano Publicado em 21/12/2016, às 19h24

None
caravina_prefeito.gif

Presidente de entidade recomenda ainda cortes de secretarias

Previsão econômica para as 79 prefeituras sul-mato-grossense para o ano que vem não é nada animadora, segundo o presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Juvenal Neto (PSDB).

Ele disse que os novos e os prefeitos reeleitos, caso queiram tocar suas administrações sem embaraços financeiros vão ter de recorrer a cortes de gastos, demitir comissionados e ainda reduzir o número de secretarias.

O quadro estimado por Neto tem a ver com a queda nas transferências de repasses federais e municipais. “Há dois anos estes repasses têm diminuído e isso prejudica demais os municípios”, afirmou Juvenal Neto.

Neto comentou também que o novo representante da Assomasul deve ser definido por meio de um consenso. O nome mais forte até agora, segundo ele, é o do prefeito reeleito de Bataguassu, Pedro Caravina, do PSDB (foto acima).

Jornal Midiamax