Política

Para evitar confronto, Mochi busca apoio de Reinaldo na eleição da ALMS

Seu partido já fechou consenso a ele

Midiamax Publicado em 16/11/2016, às 16h24

None
mochi.jpeg

Seu partido já fechou consenso a ele

O presidente da ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul), deputado estadual Junior Mochi (PMDB), disse nesta manhã que esteve com o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) e conversou sobre a eleição da mesa diretora da casa e buscarem um consenso. Segundo ele, Azambuja ficou de falar com sua bancada e daria uma resposta ao parlamentar.

Mochi relatou que o encontro entre ele e o chefe do executivo ocorreu na última quarta-feira (9), quando ambos estavam em Brasília. “Estávamos em compromissos lá e conseguimos conversar sobre o assunto. Disse que meu partido já decidiu por unanimidade pela minha manutenção no cargo e estava me colocando a disposição para ele, com o intuito de entrarmos em um consenso”.

Ainda de acordo com o presidente, Reinaldo ficou de dar uma resposta a ele. “O governador me disse que iria conversar com os deputados de sua bancada na casa e na sequencia me daria uma resposta. Eu nem procurei os colegas do PSDB por entender que esta é uma decisão que gira em torno do governador, que sem duvida sendo partido dele, não podemos deixar de destacar que tem uma força. Agora vou aguardar”.

Junior Mochi já tem o apoio de seu partido, conforme ele disse e também já foi confirmado anteriormente pelo colega Eduardo Rocha, que é o líder da bancada peemedebista, assim como os quatro petistas da casa.

“Tenho o apoio do meu partido, caso contrário nem iria buscar conversar com o governador. Tenho ainda do PT, que esteve comigo na outra eleição. O deputado George Takimoto [PDT] já disse que segue comigo e ainda o Zé Teixeira [DEM], pois temos um pré-acordo dele me apoiar e eu o apoiar em se manter na 1ª secretaria”, concluiu Mochi.

Direito

Paralelo a isso, mesmo com a maioria dos parlamentares dizendo que não haverá disputa e sim um consenso, como sempre ocorreu, o deputado estadual Mauricio Picarelli (PSDB) disse que está a disposição para a disputa e que para ele o PSDB tem o direito de ter a presidência da casa.

“Estamos conversando sobre a eleição da mesa diretora. Estou a disposição e pra mim, temos o direito de termos a presidência, pois somos a maior bancada da Assembleia. Para mim isso já é motivo e na sequência, a segunda maioria bancada ficaria com o segundo cargo mais importante”.

Atualmente, o PSDB possui oito deputados, Rinaldo Modesto, Flavio Kayatt, Angelo Guerreiro, Mauricio Picarelli, Beto Pereira, Felipe Orro, Onevan de Matos e Mara Caseiro. Já o PMDB está com cinco, Eduardo Rocha, Marcio Fernandes, Antonieta Amorim, Renato Câmara e Junior Mochi.

Jornal Midiamax