Política

No fim de mandato, Zauith fala em indenizações de quem o criticou

Socialista comanda Prefeitura de Dourados desde 2011

Midiamax Publicado em 22/12/2016, às 12h37

None
murilo_zauith_prefeito.jpg

Socialista comanda Prefeitura de Dourados desde 2011

Prestes a encerrar seu segundo mandato no comando da Prefeitura de Dourados, município distante 228 quilômetros de Campo Grande, o prefeito Murilo Zauith (PSB) mandou recado a quem lhe criticou durante os quase seis anos de governo. Em postagem no Facebook, o mandatário anunciou a “segmentos insatisfeitos por não continuarem a se beneficiar de vantagens pessoais” que “podem esperar que serão responsabilizadas, e terão que assumir indenizações morais e financeiras”.

Essas frases constam em publicação feita na tarde de quarta-feira (21) pelo socialista em sua página particular na rede social. Além da ameaça a seus críticos, ele fez uma espécie de despedida, avaliando ter devolvido Dourados à normalidade, tornando a segunda maior cidade do Estado “o melhor lugar para se investir como atestam os levantamento dos últimos dois anos no ranking nacional dos municípios (sic)”.

“Estamos agora entregando a Prefeitura para a próxima administração e Dourados voltou à normalidade, as pessoas podem trabalhar, produzir, estudar, saber que tem o seu emprego garantido, recebem em dia ao final de cada mês trabalhado [os servidores públicos, especialmente], quando muitos Municípios do País não conseguiram ainda nem pagar o salário do mês passado, que dirá o 13º. Ou seja, fizemos mais do que colocar Dourados na normalidade, hoje somos o melhor lugar para se investir como atestam os levantamento dos últimos dois anos no ranking nacional dos municípios”, pontuou Zauith.

Na mesma publicação, afirmou que “a administração pública deve, sempre, se sobrepor aos interesses pessoais”, e disparou: “‘Quem foi (mal) acostumado a garantir proveitos próprios, e agora não estão tendo os seus interesses pessoais atendidos, e resolvem usar os instrumentos que possuem para atingir pessoas no exercício da função pública, podem esperar que serão responsabilizadas, e terão que assumir indenizações morais e financeiras’, me refiro às críticas que estamos recebendo de alguns segmentos, insatisfeitos por não continuarem a se beneficiar de vantagens pessoais (sic)”.

No próximo dia 1º de janeiro, Murilo Zauith entrega para Délia Razuk (PR) o comando da Prefeitura de Dourados, após quase seis anos de governo.

Ainda no DEM, Zauith foi eleito prefeito durante a eleição extemporânea de fevereiro de 2011, convocada pela Justiça Eleitoral após a prisão e renúncia do então gestor Ari Artuzi, seu vice Carlinhos Cantor e o presidente da Câmara à época da Operação Uragano, Sidlei Alves.

Naquele pleito, o então democrata conquistou 70.906 votos numa disputa desproporcional, na qual Geraldo Sales Ferreira (PSDC) foi votado por 12.392 eleitores, Genival Antonio Valeretto (PMN) por 3.193, e José de Araujo Oliveira (PSOL) por 2.060.

Ao final desse mandato “tampão”, Zauith filiou-se ao PSB, partido pelo qual conquistou a reeleição em 2012, quando o calendário eleitoral de Dourados foi restabelecido. Nessa disputa, mais uma vez conseguiu aglutinar partidos antagônicos, como PT, PSDB e DEM, numa mesma composição, e obteve 65.794 votos, a frente de Keliana Fernandes (então no PSC), votada por 34.132 eleitores, Doutor Delane (PSDC), escolhido por 3.806 votantes e Zé Roberto (PSOL), com 1.659 votos. 

Jornal Midiamax