Política

Movimentos pelo impeachment em MS planejam ir à justiça contra posse de Lula

Resposta será em "tom diferenciado"

Clayton Neves Publicado em 16/03/2016, às 19h17

None
img-20160313-wa0140.jpg

Resposta será em "tom diferenciado"

O anúncio da nomeação do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), como novo ministro da Casa Civil, não agradou movimentos sociais contrários ao governo em Mato Grosso do Sul. Revoltados, os grupos 'Chega de Impostos' e 'Reaja Brasil' já começam a se movimentar para tentar impedir a posse de Lula.

De acordo com lideranças, o governo não compreendeu o recado da população, dado nas manifestações do último domingo. Por esse motivo, a resposta para o que eles chamam de “manobra política”, virá em tom diferenciado.

A direção regional do movimento 'Reaja Brasil', lembra que vai entrar com medidas judiciais para impedir que o ex-presidente assuma a gestão do Ministério da Casa Civil. “Vamos protocolar uma ação popular na justiça pedindo uma liminar para impedir que ele assuma”, revela a liderança Soraya Thronicke.

Segundo ela, a nomeação no ministério é uma “manobra” do governo para que Lula se livre de ser julgado pela justiça comum. “Ele só que o foro privilegiado para depois tentar absolvição no SFT, que é um órgão aparelhado, onde a maioria dos ministros foram nomeados pelo PT”, completa.

Nesta quarta-feira (16), Fabrícia Salles, representante do 'Chega de Impostos' e outras lideranças, vão se reunir para definir novas estratégias. “Vamos estabelecer metas. Podem aguardar que isso vai ter reposta, não vai ficar assim”, conta.

Nos bastidores das organizações de movimentos sociais o clima é de completo stress com a confirmação da nomeação de Lula. Há até quem fale em “quebrar” tudo ou “invadir Brasília novamente”. Contudo, Fabrícia lembra que no Estado, todo ato será pacífico e não usará a violência. “Não vamos usar a violência, mas o tom será diferente. Precisamos fazer com que eles entendam”, relata.

Fabrícia afirma que ter Lula à frente da Casa Civil é preocupante. Segundo ela, a posse pode representar uma “quebradeira geral”, da qual o País levará anos para se recuperar. “Se assumir, ele terá acesso a todas as reservas do Brasil e o PT está louco para pegar esse dinheiro”, alega.

Na tarde desta quarta-feira (16), uma nota assinada pela presidente Dilma Rousseff (PT), confirmou que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) é o novo ministro da Casa Civil no lugar do ministro Jaques Wagner, que agora, passará a comandar o Gabinete Pessoal da Presidência da República. 

Jornal Midiamax