Política

Governo ainda estuda ação contra envolvidos na Lama Asfáltica

Comitê chegou a sua 18ª reunião

Midiamax Publicado em 21/11/2016, às 12h30

None
felipe-19-672x372.jpg

Comitê chegou a sua 18ª reunião

Criado há cerca de cinco meses, o Comitê Estadual Temporário de Apuração de Denúncias do governo do Estado, chegou em sua 18ª reunião. Segundo o coordenador do grupo, Felipe Mattos, os trabalhos estão bem avançados. Ele revelou que em breve a administração de Reinaldo Azambuja (PSDB) irá entrar na justiça para pedir que as empresas envolvidas nas investigações ressarcem dos prejuízos causados ao Estado.

Este comitê é específico para acompanhar as operações Lama Asfáltica e Fazendas de Lama. E segundo o responsável pelo grupo, desde o início das investigações o governo já conseguiu reunir documentos que devem embasar as ações judiciais.

“Nos próximos dias devemos divulgar as datas que iremos entrar com ações, contra quais empresas, quais obras e qual valor vamos pedir judicialmente o ressarcimento de prejuízos para o Estado. Ainda não dá para adiantar por que estamos fechando com a Procuradoria Geral do Estado”, explicou Mattos.

O coordenador destacou que paralelo a isso, o processo disciplinar contra os servidores investigados ainda está tramitando administrativamente. 

Quando surgiram as operações, o governo do Estado confirmou que apenas dois dos investigados são servidores estaduais de carreira, Hélio Yudi e Wilson Roberto Mariano, ambos da Agesul (Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos).

O comitê solicitou ainda, na época, que as secretarias que tiverem denúncias de envolvimento nas supostas irregularidades fizessem um levantamento e apuração de responsabilidade de servidores, o que poderia aumentar o número de funcionários estaduais envolvidos.

A operação Fazendas de Lama foi deflagrada no dia 10 de maio, e é um desdobramento da Operação Lama Asfáltica. A investigação é apura existência de uma organização criminosa especializada em desviar recursos públicos.

Jornal Midiamax