Política

Dos 29 vereadores eleitos para o próximo mandato, somente dois são negros

Na Assembleia Legislativa o cenário é o mesmo

Jessica Benitez Publicado em 20/11/2016, às 13h06

None
camara.jpg

Na Assembleia Legislativa o cenário é o mesmo

No Brasil, todo 20 de novembro comemora-se o dia da Consciência Negra e assim como em outras áreas, a luta pela igualdade de raças se estende ao cenário político. Os números, contudo, ainda são mínimos levando em consideração que mais de 52% da população é negra. Para se ter ideia, dos 29 vereadores que vão tomar posse para o próximo mandato, somente dois se declararam negros, Chiquinho Telles (PSD) e Ayrton Araújo (PT), conforme informações do sistema da Justiça Eleitoral.

O número corresponde a 6,8% das cadeiras no Legislativo, contra 79,3% que serão ocupadas pelos 23 que se declararam brancos. Já os ‘novatos’ Odilon de Oliveira Filho (PDT), Antônio Cruz (PSDB), Jeremias Flores (PTdoB), Enfermeiro Fritz (PSB) são pardos.

Em todo o país, conforme o TSE (Tribunal Superior Eleitoral), somente 8,65% dos candidatos em 2016 disseram ser negros o que corresponde a 42,5 mil dos 491,7 mil postulantes. Pouco mais de 51% afirmaram ser brancos e 39,10% pardos.

No ranking de estados com mais candidatos negros a Bahia ficou em primeiro lugar, Rio de Janeiro em segundo e Maranhão em terceiro. Os que possuíam menos foram Santa Catarina, Amazonas e Ceará, respectivamente.

Nas eleições de 2014, quando a população escolheu deputado estadual e federal, senador, governador e presidente da República, o cenário não foi diferente. Na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul dos 24 deputados estaduais, apenas os petistas Amarildo Cruz e João Grandão são negros.

Das 513 vagas na Câmara Federal 3,7% foram ocupadas por negros, outros 14,4% por pardos e 71,9% por brancos. Foi nesse pleito que o TSE passou a computar a variável cor/raça.

Até então somente dados como profissão, grau de instrução, patrimônio e gênero eram pedidos e disponibilizados. Em 2014 no panorama geral de candidatos, 38,6% eram homens brancos, 30% homens negros, 16,5% mulheres brancas e 14,2% mulheres negras.

Atualmente a bancada federal sul-mato-grossense é composta 100% por brancos, também segundo informações prestadas pelos políticos à Justiça Eleitoral.

Jornal Midiamax