Política

Câmara convoca audiência pública para debater orçamento com secretário municipal

Segundo relator, 12 setores aparecem com menor investimento para 2017

Midiamax Publicado em 08/11/2016, às 18h29

None
disney.jpg

Segundo relator, 12 setores aparecem com menor investimento para 2017

A Comissão de Orçamento e Finanças da Câmara Municipal de Campo Grande convocou audiência, para o próximo dia 16 de novembro, para discutir com a comunidade o orçamento municipal para o próximo ano. Segundo relator do projeto, 12 setores públicos aparecem com menor investimento para 2017.

Foi convidado para a ocasião, o secretário municipal de planejamento, finanças e controle, Disney Fernandes. Ele informou ao Jornal Midiamax que ainda não recebeu convite oficial da Casa, mas garantiu que estará presente na audiência pública.

De acordo com a Câmara Municipal, durante o evento será debatido o projeto de orçamento 2017 encaminhado pelo Executivo para análise dos vereadores. Por se tratar de audiência pública, a discussão é aberta à comunidade.

O relator do orçamento, vereador Eduardo Romero (Rede) revela que a questão financeira do município é preocupante, resultado da falta de planejamento das gestões nos últimos anos. Pelo projeto original apresentado pela atual gestão, são 12 setores públicos com menor investimento para o ano que vem, conforme análise do relator.

O projeto do Executivo, que prevê R$ 3,59 bilhões para 2017, foi encaminhado para a Câmara Municipal no final de setembro e a partir daí passou a ser analisado e receber emendas dos parlamentares.

De acordo com o projeto apresentado, a área que terá maior queda no investimento é a de transporte com 2,50% a menos do que foi neste ano. Neste setor para 2016 a previsão de investimento foi de 14,07% do orçamento municipal e para o próximo é de 11,57% do orçamento, o que representa menos de R$ 70 milhões, segundo o relator.

Outra área que tem previsão de menos investimento é a educação. Para este ano, a previsão de investimento foi de 22,16% do orçamento municipal e para o ano que vem é de 21,64%, ou seja, uma queda de 0,52%, que representa menos R$ 11 milhões para o orçamento .

Além de transporte e educação outras áreas também estão com previsão orçamentária de menos investimentos, segundo o parlamentar. Para habitação (-0,34%), administração (-0,27%), direitos da cidadania (-0,19%), trabalho (-0,15%), reserva de contingência (-0,15%), legislativa (-0,08%), ciência e tecnologia (-0,06%), comércio e serviços (-0,06%), judiciária (-0,02%) e comunicação (-0,01%).

Jornal Midiamax