Política

A jato, PSDB antecipa nome do vice após rumor sobre candidatura de Rose

Aliança com o PR foi firmada

Jessica Benitez Publicado em 23/06/2016, às 22h30

None
81eac652-c19a-4490-b60d-574c4c917ccc.jpg

Aliança com o PR foi firmada

Em evento 'surpresa', o PSDB oficializou aliança com o PR com o lançamento do empresário Cláudio Mendonça (PR), que será vice na chapa encabeçada pela vice-governadora Rose Modesto (PSDB) na disputa pela Prefeitura de Campo Grande. Nos bastidores a informação é de que houve adiantamento do processo após rumores de que a pré-candidatura da tucana estaria sendo questionada por partidos aliados e até mesmo em setores do PSDB em razão da incerteza sobre os desdobramentos da operção Coffe Break em relação à vice-givernadora. Desde o início da semana, a substituição de Rose começou a ser especulada nas conversas de 'pé de ouvido'.

Isso porque o MPE (Ministério Público Estadual) não a colocou na lista de denunciados, porém o procurador-geral Paulo Passos admitiu que Rose não 'escapou' da investigação paralela para saber se foi beneficiada com a cassação do prefeito Alcides Bernal (PP) em março de 2014. Vereadora à época, Rose votou a favor da abertura do processo de impeachment e do relatório do vereador Elizeu Dionísio que recomendava a cassação do prefeito.

Na Câmara, vereadores não se pronunciam publicamente sobre o fato de que, apesar das gravações, o nome de Rose não tenha sido incluído entre os denunciados. Na sessão desta quinta-feira, foi aprovada proposição do vereador Edil Albuquerque (PMDB) para convidar o então vereador Elizeu Dionísio, relator da CPI dos Contratos, para pedir esclarecimentos e "relembrar" o relatório apresentado. Elizeu, hoje filiado ao PSDB, é suplente de deputado federal e está no exercício do mandato em razão da licença do deputado Márcio Monteiro, secretário de Finanças do governo. Em razão disso, Elizeu goza de foro privilegiado e, por isso, o resutlado de sua investigação teoricamente seria encaminhado ao STF, mas essa informação não foi oficializada pelo procurador-geral Paulo Passos.

A JATO

Segundo um personagem proeminente, que pediu anonimato, foi com o intuito de evitar a dissemincação do boato e frear o enfraquecimento da candidatura de Rose que a cúpula tucana deciciu apressar a indicação do vice como forma de confirmar a candidatura da vice-governadora.

Durante discurso, a ex-vereadora criticou a atual gestão e falou sobre a desconfiança dos eleitores. “Sabemos que do jeito que está não tem mais como ficar. É hora de reflexão, estamos em uma das maiores crises, econômica, ética e de inversão de valores. Há desconfiança no coração dos eleitores”.

O governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), bateu nesta mesma tecla e acrescentou. “A boa política não pode pagar pelo erro de alguns”. O discurso dos tucanos aborda a recuperação da confiança do eleitor em meio a operações regionais como a Coffee Break e Lama Asfáltica, assim como a Lava Jato, em âmbito nacional, que afetam praticamente todas as siglas.

Até o início da Pperação Lama Asfáltica, o ainda presidente regional do PR, Edson Giroto, era o nome do partido para concorrer ao Paço Municipal, porém perdeu a função na sigla e inviabilizou o projeto do partido de tê-lo como candidato a prefeito da Capital.

Cláudio, por sua vez, não falou sobre apurações políticas e destacou sua carreira na iniciativa privada.“Assistimos no Brasil e aqui na cidade ausência do princípio de atividade empresarial que é um dos eixos mais importantes para a estabilidade”, disse.

Passado – Há dois anos, nas eleições de 2014, o PR também indiciou o candidato a vice, na chapa então encabeçada pelo ex-senador Delcídio do Amaral, à época no PT,na disputa pelo governo do estado. O escolhido foi o ex-deputado estadual e presidente regional do partido, Londres Machado.

Jornal Midiamax