Política

8 anos depois, Reviva Centro terá R$ 185 milhões para próximo prefeito

Chaves e Moka comemoraram aprovação no Senado

Ludyney Moura Publicado em 14/09/2016, às 11h21

None
00_-_montagemsenadoreschavesmoka.jpg

Chaves e Moka comemoraram aprovação no Senado

Iniciado ainda em 2008, o projeto Reviva Centro chegou a ser oficialmente lançado pelo então prefeito Gilmar Olarte, em setembro de 2014, todavia o empreendimento só deve sair do papel para o prefeito que assumir a Capital em 2017. Os senadores Pedro Chaves (PSC) e Waldemir Moka (PMDB) anunciaram a liberação de um empréstimo pleiteado pelo município junto ao BID (Banco Interamericano de Desenvolvimento).

“Conseguimos aprovação (na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado) de US$ 56 milhões para revitalização do centro de Campo Grande, que vai dar vida à cidade. Projeto Reviva2, que todos já conhecem, mas estão aguardando desde 2008. Finalmente houve sensibilidade dos senhores senadores e aprovaram por unanimidade”, disse Pedro Chaves.

Moka destacou que em média os municípios que contratam empréstimo do BID costumam pagar juros considerados baixos no mercado, cerca de 3,4% ao ano, com até 25 anos para pagar.

“Revitaliza áreas antigas, com ênfase na acessibilidade. Os recursos do BID são específicos para esse fim. Não financia saúde nem educação. Corumbá também recebeu autorização para buscar os mesmos recursos a fim de revitalizar o centro velho”, revelou o peemedebista.

O senador Pedro Chaves explicou frisou que agora o projeto, que precisa ser aprovado no plenário do Senado, volta para os trâmites junto ao Ministério da Fazenda, e só então a prefeitura assinará contrato que poderá resultar no início das obras, o que só deverá ser executado e entregue pelo próximo prefeito.  

De acordo com Chaves, a liberação dos US$ 56 milhões, cerca de R$ 185 milhões (na cotação desta quarta-feira, 14), poderá resolver problemas graves do centro da Capital, como falta de estacionamento, aumento dos espaços vazios e fechamento de lojas.  

Problemas graves, lojas fechamento a base de 650%.nova vida espaços vazios preenchidos, bares, flats e restaurantes, condições para melhora qualidade de vida da população.

*

Jornal Midiamax