Política

Vereadores da Capital barram CPIs e liberam doações de terrenos

Pauta desta terça (14) inclui mais sete benefícios a empresas

Midiamax Publicado em 14/04/2015, às 13h18

None
camara.jpg

Pauta desta terça (14) inclui mais sete benefícios a empresas

Vereadores de Campo Grande mostraram-se receosos quanto a apurar possíveis irregularidades com dinheiro público na cidade, mas mantêm a chamada ‘farra das doações’ a empresas. Somente na pauta desta terça-feira (14) na Câmara Municipal, há sete projetos neste sentido para serem votados.

Os projetos em questão são de doações de áreas para empresas, por meio do Prodes (Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande). Entre as contempladas estão firmas das áreas de alimentação, médica, consultoria ambiental, de comércio de plásticos, entre outras.

No começo de março, quando a Câmara aprovou outros 37 projetos de doações de terrenos, alguns vereadores criticaram o que avaliam como falta de critérios para o procedimento. Segundo alguns parlamentares, há informações de que empresários aproveitam-se dos benefícios mesmo tendo capital para investir, enquanto o Poder Público atende a interesses particulares em detrimento de setores que demandam amparo, como saúde e educação.

“É importante ajudar o empresário, mas tem que fazer uma pesquisa de quem realmente precisa. Não podemos ficar doando para empresários ricos, que têm vários milhões. Eles vendem um patrimônio por um valor absurdo e pegam outro de graça”, disse, à época, o vereador Carlão (PSB), enquanto o colega Paulo Pedra (PDT), por exemplo, apontou falta de bom senso na definição dos beneficiários do Prodes.

Se por um lado a enxurrada de doações via Prodes passa direto pelo duto legislativo, suspeições sobre mau uso do dinheiro público são retidas no filtro da base de sustentação do Executivo na Cãmara. Foi assim, por exemplo, nos pedidos de CPI sobre as operações tapa-buracos, do uso de jatinho de empresário pelo prefeito, Gilmar Olarte (PP), e em relação a possível desvio de verba na Fundac (Fundação Municipal de Cultura).

Jornal Midiamax