Política

Vereadora é investigada por contratar funcionária com acúmulo de cargos públicos

Assessora acumulava cargo público na Câmara e no Estado

Midiamax Publicado em 20/02/2015, às 10h09

None
sirlene-da-saude.jpg

Assessora acumulava cargo público na Câmara e no Estado

O Ministério Público Estadual (MPE) denunciou irregularidade envolvendo a vereadora de Três Lagoas, Sirlene dos Santos (PROS), conhecida como Sirlene da Saúde, por improbidade administrativa. A vereadora é denunciada por contratar a servidora Sueli Benedita Marciano como assessora de gabinete, mesmo ela tendo outros cargos públicos.

Segundo o promotor Fernando Marcelo Peixoto Lanza, a servidora ocupava três cargos públicos e com o total conhecimento da vereadora. Ela contou ao promotor que trabalhou na campanha dela e foi contratada em 2013 como assessora, mesmo ocupando outros cargos públicos.

Levantamento feito pelo promotor apontou que Sueli é servidora da Secretaria Estadual de Saúde desde junho de 2004, com remuneração de R$ 3.076,11, e técnica em enfermagem da Prefeitura de Três Lagoas desde 2001, onde recebe salário de R$ 1.460,91. Na Câmara ela recebia outro salário, de R$ 2.067,45.

Segundo processo, Sueli solicitou afastamento da prefeitura em 06 de março de 2013,  mas não saiu do Estado, onde recebia o maior salário.  O promotor ressalta que além do acúmulo de cargos, houve conflito de horário de trabalho, visto que os plantões no Estado são de 24hs x 72hs, o que coincide com carga horária como assessora.

A vereadora afirma que desconhece as demais funções públicas da assessora, que foi exonerada. Segundo ela, para que assumisse o cargo, a servidora fez uma declaração de próprio punho, afirmando não possuir outro vínculo empregatício. Com informações do site RádioCacula.

Jornal Midiamax