Política

Vereador questiona nomeação de secretário que queria outra pasta

Chiquinho Telles diz não entender critérios da Prefeitura

Evelin Cáceres Publicado em 07/07/2015, às 14h21

None
chiquinho.jpg

Chiquinho Telles diz não entender critérios da Prefeitura

Para o vereador Chiquinho Telles (PSD), está difícil entender quais são os critérios que a Prefeitura de Campo Grande tem adotado para nomear os secretários municipais. Telles questionou nesta terça-feira (7), por exemplo, a nomeação de Valdir Gomes na Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano) e disse a vontade do nomeado era assumir a Fundac (Fundação Municipal de Cultura).

“Não tenho nada contra ele, que é funcionário de carreira, mas até ele mesmo queria ser secretário na Fundac e o colocaram na Semadur. Parece que há um desacerto, o prefeito não ouve a Câmara e toma este tipo de encaminhamento que entrava a cidade e deixa a locomotiva mais pesada”.

Na sessão itinerante realizada no CAU (Conselho de Arquitetura de Urbanismo) no último dia 25, a falta de engenheiros à frente de secretarias que tratam de infraestrutura foi uma das reclamações da categoria.

Um dos que falaram durante a sessão foi o arquiteto Raymundo Barizon, que disse atuar na área há 40 anos. Segundo ele, engenheiros deveriam estar no comando da Semadur (Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano), Agetran (Agência Municipal de Trânsito) e Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação).

Barizon disse que não ter técnicos na chefia das pastas “é a mesma coisa que colocar um veterinário para cortar cabelo no lugar do cabeleireiro” ou “o mesmo que não ter um médico como secretário de Saúde”. “Está faltando colocar as pessoas certas no lugar certo”, ponderou.

Na Semadur, atualmente, está Heitor Pereira de Oliveira. A Agetran é comandada por Beth Felix, enquanto na Seintrha o secretário é Valtemir de Brito.

Jornal Midiamax