Política

Vereador petista reitera pedido para sair de ação favorável a Bernal

É a segunda vez que parlamentar informa desistência em processo

Midiamax Publicado em 15/10/2015, às 13h14

None
ayrton_araujo_cmcg.jpg

É a segunda vez que parlamentar informa desistência em processo

O vereador Ayrton Araújo (PT) reiterou, à Justiça, pedido de desistência de ação popular em favor do prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP). Se, de um lado, o parlamentar quer sair de processo favorável ao pepista, de outro é relator da Comissão de Ética da Câmara Municipal, que investiga colegas por quebra de decoro em relação à cassação do chefe do Executivo.

É a segunda vez que o petista pede à Justiça para desistir da ação, com a conseqüente exclusão dele do polo ativo do processo, indicando, no primeiro pedido, não ter havido encaminhamento por parte do juiz. A última petição neste sentido data de 13 de outubro.

Além de Ayrton, os outros autores da ação popular são os também vereadores Cazuza (PP) e Luiza Ribeiro (PPS), o secretário municipal de Governo, Paulo Pedra (PDT), e o deputado federal Zeca (PT) – todos, quando entraram com o processo, ocupavam cadeiras na Câmara.

Vereador petista reitera pedido para sair de ação favorável a BernalO primeiro pedido de Ayrton para deixar o processo foi feito em maio, logo após o trâmite do caso ser retomado. “O grupo entrou com um advogado que abandonou a causa, então eu teria que pagar outro advogado. Não vou tirar do meu bolso para defender o Bernal ou quem quer que seja, já tenho os meus problemas”, disse Ayrton, na época.

A ação popular pede a anulação do ato da Câmara Municipal de cassação de Bernal, de março de 2014. Uma liminar de maio do ano passado, neste processo, confirmada em agosto deste ano pelo TJ (Tribunal de Justiça), é que mantém o prefeito atualmente no cargo.

Oficialmente, a bancada do PT declara-se independente em relação à segunda fase do mandato de Bernal. Ayrton, por sua vez, assumiu a relatoria da Comissão de Ética da Câmara, cuja missão atual é apurar se colegas investigados na Operação Coffee Break cometeram quebra de decoro no processo de cassação do prefeito.

Jornal Midiamax