Política

Vereador pagou R$ 100 mil por ‘honra’ e teria fotos com adolescentes nuas

Preso por extorsão diz ter visto fotos de Alceu com adolescentes

Midiamax Publicado em 18/04/2015, às 15h03

None
cee92f0673ddb2f286558d29eb0fd541.jpg

Preso por extorsão diz ter visto fotos de Alceu com adolescentes

O vereador Alceu Bueno (PSL) disse à polícia ter pago R$ 100 mil para proteger a própria honra e evitar que supostos conteúdos comprometedores, o ligando a envolvimento sexual com adolescentes, fossem levados a público. O pagamento teria sido feito ao ex-vereador Robson Martins e a Luciano Pageu, ambos presos em flagrante por extorsão ao receberem mais R$ 15 mil do parlamentar, na tarde de quinta-feira (16), em Campo Grande.

As informações constam em termo de declaração em auto de prisão em flagrante e foram dadas por Bueno, na condição de vítima, na Depca (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente), no mesmo dia das prisões. Inquérito aberto na mesma unidade policial, no começo de abril, aponta a existência de um esquema armado para extorquir autoridades públicas mediante o envolvimento sexual delas com adolescentes.

Segundo relata o delegado-titular da Depca, Paulo Lauretto, no auto de prisão em flagrante de Robson e Luciano, no inquérito 365/14 até o momento, “restou demonstrado” que um homem identificado como Fabiano Viana Otero, também chamado de Fábio, “teria induzido as adolescentes (…), ambas de 15 anos de idade, a saírem, dentre outras pessoas, com José Alceu Padilha Bueno, com ele mantendo relações sexuais, e levarem consigo uma microcâmera com a finalidade de futuramente extorquir referida pessoa”.

Em seguida, o delegado explica mais: “de acordo com o depoimento das adolescentes, na articulação de Fabiano, este contava com o auxílio de uma pessoa até então mencionada por Luciano”. O chefe da Depca pediu a prisão de Fabiano, que estaria sob análise da Justiça.

Os primeiros R$ 100 mil da extorsão, segundo Alceu, foram entregues a Robson e Luciano dentro do quarto do próprio vereador, a título de ‘calar a boca de Fabiano’. Em depoimento, o parlamentar diz ter sido submetido a uma “lavagem cerebral” sobre os riscos que corria por conta de conteúdos, possivelmente comprometedores, existente em conversas de celular em poder de uma suposta cafetina chamada “Lindiane ou Liliane”.

Porém, segundo Alceu, o grupo não ficou satisfeito e pediu mais R$ 50 mil, o que lhe motivou a ir até a delegacia para registrar queixa por extorsão. A negociação chegou à casa dos R$ 27 mil e, no momento do flagrante, no estacionamento de um supermercado, havia R$ 15 mil em dinheiro.

À polícia e já preso, Luciano disse que é amigo de Fabiano, que por sua vez teria relação com uma das adolescentes envolvidas no caso. Ainda conforme o depoimento, “Fabiano falou para o interrogando que uma cafetina estava ligando para ele, e que estava ‘tocando um terror’, dizendo que tinha fotos no telefone celular dela envolvendo gente pública, nas quais as duas meninas que foram encontradas com ele estavam envolvidas”, ameaçando expor tais imagens.

Luciano diz que entrou em contato com a cafetina, por meio de Fabiano. Disse ter convencido a mulher a mostrar a ele as imagens, nas quais afirma ter reconhecido o vereador. “Sendo que em tais fotos as meninas estavam nuas, se beijando, e Alceu Bueno estava no meio delas, além de outras fotos dele envolvido com elas”, disse o homem no depoimento, afirmando ter reconhecido o parlamentar “de imediato, tendo em vista que conhece o vereador há muito tempo, pois ambos são evangélicos”.

‘Deus te blindou’

“Deus te blindou, caíram umas meninas que iriam te extorquir, mas por acaso essas meninas estavam hospedadas na casa de um funcionário meu”, teria dito Luciano a Alceu no primeiro encontro de ambos, no dia 23 de março, segundo o próprio vereador disse em depoimento. A partir daí, iniciou-se uma relação entre o parlamentar, Luciano e Robson, negociando valores para manter escondida a suposta relação com as adolescentes.

Alceu chegou a admitir que teria dado carona a uma das meninas. Falou, também, que questionou Fabiano sobre qual o problema haveria de ele ter mantido conversa com as mulheres, “se as meninas eram de maior e tinham filhos”.

Pela versão do vereador, Luciano teria lhe pressionado, dizendo que era homem público e caso poderia ser levado até a mulher dele ou à igreja onde é pastor. Pelos depoimentos, Robson teria entrado na história para ajudar, enquanto advogado, “que já foi vereador e tinha passado por uma situação semelhante anteriormente”.

Não é comigo

Robson, depois de preso, contou à polícia que Luciano, “o qual dizia ter sido mandado por Alceu Bueno”, fez contato com ele para dizer que o vereador “se envolvera em uma situação de crime de natureza sexual com menores de idade”. O parlamentar, então, em um encontro pessoalmente, teria admitido a ele o envolvimento com as jovens.

O ex-vereador, no entanto, nega em depoimento qualquer tentativa de extorquir o vereador. Disse ter sido chamado para uma conversa com o parlamentar na praça de alimentação de um supermercado, para onde foi com Luciano, mas sem envolver-se nas conversações, e finaliza afirmando “que nunca exigiu tampouco pegou qualquer importância em dinheiro” de Alceu.

Jornal Midiamax