Política

Sem aprovação do Legislativo, Estado ainda está fora de consórcio Brasil Central

Deputados querem sanar dúvidas antes de votação

Jessica Benitez Publicado em 27/10/2015, às 17h41

None
porjoaograndao27320151345.jpg

Deputados querem sanar dúvidas antes de votação

Mato Grosso do Sul ainda não faz parte oficialmente do Consócio Interestadual do Fórum Brasil Central que pretende recolher fundo de R$ 1,9 milhão de cada estado participante. Isso porque a proposta precisa passar pelo criva da Assembleia Legislativa e, no momento, está parada na Comissão de Finanças e Orçamento da Casa de Leis. Segundo o relator da medida, João Grandão (PT), embora seja uma boa medida, é necessário que o Governo do Estado dê algumas justificativas, além de debater o assunto com entidades e municípios.

“Já enviamos requerimento pedindo ao Governo justificativa de como será esse aporte e aonde está previsto, já que não consta na LOA (Lei Orçamentária Anual) nem no PPA (Plano Plurianual)”, explicou o petista. Outra dúvida é sobre o anexo 2 do projeto que cita composição administrativa de cargos. “Aonde o Estado entra nisso? Também queremos saber se contempla a reforma agrária”, questionou o relator.

Além de Mato Grosso do Sul, fazem parte do Fórum: Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Tocantins e Roraima. A decisão de formar o fundo foi oficializada em Campo Grande no último dia 2. À época o governador do Estado, Reinaldo Azambuja (PSDB), chegou a dizer que a medida entraria em votação na semana seguinte.

O montante, classificado como consórcio, vai permitir que haja captação de recursos para execução de ideias em comum e será renovado anualmente. “Esse valor será usado para valer ações em conjunto entre os Estados nas áreas da agricultura, empreendedorismo, ciência e tecnologia, para fortalecer e fomentar a representatividade do Brasil Central”, explicou o tucano na ocasião.

Jornal Midiamax