Política

Projeto de terceirização é bom, mas há ressalvas, afirma Moka

Senador defende discussão ampla e 'sem pressa'

Midiamax Publicado em 27/04/2015, às 13h34

None
waldemir_moka-interna-gerson_walber.jpg

Senador defende discussão ampla e ‘sem pressa’

O projeto que prevê a regulamentação da terceirização precisa ser discutido com maior profundidade, defende o senador Waldemir Moka (PMDB). Para ele, o texto trata de regulamentação de atividade que já existe no País, mas diz que guarda algumas restrições quanto ao projeto, por isso, a necessidade de discutir de forma mais ampla e ‘sem pressa’, agora que a matéria chega ao Senado.

As ressalvas as quais o parlamentar se refere trata-se da terceirização das áreas-fim. Atualmente, atividades de áreas-meio já empregam funcionários terceirizados.

Neste aspecto, cita, a regulamentação dará garantias trabalhistas e previdenciárias, além de benefícios como transporte e alimentação. “Numa leitura rápida da matéria, percebo que há coisas muito boas para o trabalhador terceirizado”.

No entanto, Moka diz que prefere analisar o projeto com profundidade para opinar e se votará a favor ou contra. A matéria foi aprovada pelos deputados federais na semana passada e deve começar a tramitar hoje no Senado.

Quem é contrário ao projeto afirma ser um retrocesso com relação às garantias e direitos conquistados pelos trabalhadores.  Os deputados estaduais da bancada petista também afirmam que o projeto retrocede, uma vez que há reclamações de que trabalhadores terceirizados trabalham mais e ganham menos, além de não ter todos os direitos garantidos.

Jornal Midiamax