Política

Prefeitura suspende licitações visadas por empreiteiras por ‘questões administrativas’

Justificativa foi apresentada sem detalhamento

Jessica Benitez Publicado em 13/07/2015, às 19h46

None
diogrande.jpg

Justificativa foi apresentada sem detalhamento

A Prefeitura de Campo Grande justificou suspensão de duas licitações para manutenção de vias públicas alegando ‘ajustes administrativos’, segundo informou a Seintrha (Secretaria Municipal de Infraestrutura, Transporte e Habitação) por meio de assessoria de imprensa. Acontece que os dois certames são para tipo de serviço alvo para investigação da Operação Lama Asfáltica e as propostas dos concorrentes seriam abertas no fim deste mês. Agora já não há data prevista. 

Inclusive, ainda de acordo com a Seintrha, ambas podem ou não “serem propostas novamente”. Conforme publicação do Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande) desta segunda-feira (13), foram suspensas as concorrências 015 e 016/2015. As duas tratam de “execução de obras visando a manutenção de estradas vicinais, consistindo na execução dos serviços de limpeza e revestimento primário” em trechos da CG-342, CG-324 e CG -492.

No diário não consta o motivo que levou à suspensão, porém em resposta ao questionamento do Jornal Midiamax disseram apenas que as licitações receberão “ajustes administrativos”. A medida foi tomada dias depois de a Lama Asfáltica iniciar 19 mandados de busca e apreensão, entre eles na casa do empreiteiro João Amorim dono da Proteco e LD Construções que já mantêm pelo menos 16 contratos com o Executivo.

No entanto, não há, por exemplo, informações que relacionem a suspensão às investigações da Operação Lama Asfáltica, a qual investiga suposto esquema de desvio de verbas públicas integrado por empreiteiras atuantes na área de conservação de vias públicas na Capital.

A inserção das empresas em obras pública não é de hoje. Nas duas gestões do ex-prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB) as companhias eram protagonistas em vários processos licitatórios. O peemedebista era, à época, cunhado de Amorim que é irmão da ex-primeira-dama e deputado estadual Antonieta Amorim.

Jornal Midiamax