Oposição só aceita conversa com Olarte se for ‘sem faz de conta e com todos’

Prefeito foi orientado a conversar com opositores
| 13/05/2015
- 13:48
Oposição só aceita conversa com Olarte se for ‘sem faz de conta e com todos’

Prefeito foi orientado a conversar com opositores

Durante reunião com vereadores na semana passada, o prefeito de Campo Grande, (PP), aceitou proposta feita por alguns líderes, de conversar com todo mundo, até a oposição, para falar sobre os problemas e soluções para a Capital. Porém, para conversar com a oposição, o prefeito precisará cumprir algumas exigências.

O vereador Alex do PT não descarta conversa, mas defende uma pauta bem definida antes do encontro. “Qual o sentido da reunião? Vão justificar o injustificável? Fazer operação abafa ou passar melzinho na chupeta? Agora, se for reunião séria, de trabalho, para diagnosticar problemas e trazer a solução, temos que estar sempre dispostos a colaborar. Não pode fazer reunião de faz de conta”, analisou.

A vereadora Thais Helena (PT) chegou a ser convidada para uma das reuniões do prefeito, mas não aceitou por causa da ausência de outras lideranças. Ela afirma que só participará de conversas se toda a oposição for ouvida.

 “Se quer ouvir o que a gente pensa, com apresentação de críticas e soluções, em uma reunião institucional, com vereadores da oposição, não vejo problema. Mas, tem que ser com todos. Não pode escolher quem ele quer, mas todo mundo”, opinou.

A vereadora Luiza Ribeiro (PPS) não confirma presença e critica a falta gestão da atual administração. “Ele não precisa da oposição, que já tem ajudado ele nas matérias importantes. Ele que precisa se ajudar. Não sabe administrar  recurso público e nem trabalhar oportunidade. Ele usa a administração pública para dar estabilidade a ele e, por isso, encheu de cargos comissionados. Faz um gasto público absurdo e compromete as finanças. Nós abrimos a CPI das Contas Públicas porque as informações que prestam não traz informação nenhuma”, declarou.

Veja também

Ministério Público investigava irregularidades desde 2011, mas só sete anos depois, surgiram primeiros resultados

Últimas notícias