Política

Leitor acha Câmara ‘corporativista’ no escândalo envolvendo vereador

Esta foi a opinião de 73% dos participantes de enquete

Midiamax Publicado em 28/04/2015, às 16h37

None
enquete_corte.jpg

Esta foi a opinião de 73% dos participantes de enquete

A Câmara Municipal de Campo Grande atua de forma corporativista em relação ao escândalo sexual envolvendo o agora ex-vereador Alceu Bueno (sem partido, ex-PSL). Pelo menos é o entendimento de leitores que participaram de enquete promovida pelo Jornal Midiamax.

Foram 73% dos leitores que responderam “corporativista” à pergunta sobre a expectativa em relação ao comportamento do Legislativo Municipal no caso. Alceu Bueno, de certa forma, poupou os colegas de julgá-lo e apresentou carta de renúncia, na manhã desta terça-feira (28).

Para outros 18% dos que votaram, a Câmara Municipal teria posição isenta no caso. Os 9% restante responderam “não sei”.

Há quem diga que a Câmara Municipal demorou a tomar uma atitude em relação ao indiciamento de Alceu Bueno por favorecimento à exploração sexual. A Polícia Civil tem vídeo no qual informa ser possível reconhecer o agora ex-parlamentar praticando sexo com duas adolescentes.

Consta que os programas foram pagos por Alceu. A investigação também revela que as gravações foram feitas em câmeras escondidas, como parte de um esquema no qual, depois, o material era usado para chantagear e extorquir os envolvidos.

A casa chegou a anunciar que abriria comissão processante para analisar eventual quebra de decoro parlamentar. A renúncia, no entanto, chegou antes.

A enquete do Jornal Midiamax tem adesão espontânea por parte dos leitores, sem qualquer caráter científico.

Leitor acha Câmara 'corporativista' no escândalo envolvendo vereador

Jornal Midiamax