Política

Duarte não acata MPE e esposa continua no secretariado de Corumbá

Para MPE situação caracteriza nepotismo

Jessica Benitez Publicado em 08/10/2015, às 21h36

None
duarte2.jpg

Para MPE situação caracteriza nepotismo

Quatro dias após vencer o prazo estipulado pelo MPE (Ministério Público Estadual), o prefeito de Corumbá, Paulo Duarte (PT), ainda não exonerou a esposa Maria Clara Mascarenhas Scardini que continua ocupando o cargo de diretora-presidente da Fuphan (Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico), conforme Diário Oficial da cidade.

Na solicitação foi feita por meio do promotor de Justiça, Luciano Bordignon Conte, no último dia 24, o petista tinha dez 10 para demitir a mulher e não se enquadrar em improbidade administrativa por nepotismo. Segundo ele, a recomendação é “para resguardar a moralidade administrativa e a vedação da prática de nepotismo externada pela Súmula Supremo Tribunal Federal”.

Logo após a publicação, Duarte emitiu nota para comentar o assunto e rebateu a acusação dizendo não haver nepotismo, tendo em vista que a esposa é competente e preparada para o cargo. Além disso, classificou o ato do MPE como ‘eleitoreiro’ levando em conta sua pré-candidatura à reeleição no ano que vem.

“Independentemente do alarde e da celeuma que fatos dessa natureza provocam, especialmente em períodos vizinhos de disputas eleitorais, alguns esclarecimentos sobre a dita ‘recomendação’ devem ser feitos, em respeito ao ordeiro e politizado povo corumbaense, de quem emana a legitimidade do governo municipal”, disse.

“Sob essas premissas, no caso da Diretora-Presidente da FUPHAN, está muito claro que não há nepotismo ou qualquer ofensa ao princípio da moralidade administrativa. Trata-se de profissional habilitada e capacitada para o exercício do cargo político para o qual foi nomeada, pois é formada em arquitetura e urbanismo, tem experiência em sua área profissional e notoriamente vem desempenhando um excelente trabalho à frente da Fundação”, completou.

Por meio do Facebook, Maria Clara também se manifestou e publicou a nota na íntegra em seguida. Para ela a notícia acerca da recomendação do MPE é “covarde e oportunista. “Se tem uma coisa que me deixa tranquila é o trabalho faço e o amor que sinto por Corumbá. Irei continuar trabalhando pelo bem da cidade que escolhi para viver e criar meu filho. Apenas lamento a forma oportunista e covarde que alguns exploram um assunto que está somente na fase de pedido de informações”.

Para finalizar a primeira-dama de Corumbá deixa recado aos possíveis rivais. “Conforme nota abaixo o cargo que exerço de Diretora Presidente da Fundação de Desenvolvimento Urbano e Patrimônio Histórico tem respaldo legal e moral. Ocupo uma função eminentemente técnica, sou arquiteta e urbanista. Não entendo muito de política, mas com certeza a exploração exagerada desse assunto já é o início antecipado da disputa do ano que vem. Venham, estamos preparados”.

Jornal Midiamax