Política

Deputados do PT fecham com PMDB para esvaziar ninho tucano na Assembleia

Petistas confirmam apoio a Mochi, após veto formal a acordo com DEM ou PSDB

Ludyney Moura Publicado em 11/01/2015, às 14h34

None
mochi_e_bancada_pt_-_giuliano_lopes.jpg

Petistas confirmam apoio a Mochi, após veto formal a acordo com DEM ou PSDB

O PT de Mato Grosso do Sul está jogando as fichas que tem para tentar, ao máximo, tirar poder do governador, Reinaldo Azambuja (PSDB), sobre a Assembleia Legislativa. Fiéis da balança na eleição para a mesa diretora da casa, por contarem com quatro parlamentares na bancada, os petistas manobram para evitar que aliados diretos do tucano assumam a chefia da casa, que deverá continuar nas mãos do PMDB.

No sábado (10), o deputado federal eleito Zeca do PT postou em seu Facebook resolução do diretório regional, de dezembro último, no qual veta alianças entre petistas e o DEM, PSDB e PPS. Faltando pouco mais de duas semanas para a escolha da nova mesa diretora da Assembleia, própria bancada do PT já confirma que está fechada com Junior Mochi (PMDB), em detrimento do demista Zé Teixeira.

“Nossa bancada tem compromisso com o deputado Junior Mochi para presidente”, disse neste domingo (11) o deputado Pedro Kemp, reeleito para seu quinto mandato e, atualmente, segundo-secretário da casa. Confirmando-se a chapa, o PT mantém posição na mesa diretora e, de quebra, deixa de fora o grupo de aliados diretos do governador tucano, para quem perderam a eleição de outubro passado.

O petista Amarildo Cruz também pontua a impossibilidade de coligação com o outro candidato à presidência, o deputado Zé Teixeira, do DEM, que tem o apoio do governador para substituir Jerson Domingos (PMDB). “Eu descartaria (aliança com o DEM) até por questões ideológicas e por vedações do próprio partido, tanto da direção estadual quanto da nacional”, declarou o parlamentar, para quem uma candidatura própria do PT seria “o ideal”.

“Nossa bancada defende mudanças na gestão da mesa, principalmente. Maior transparência, aproximar a Assembleia da sociedade. Mudanças com relação à quantidade de funcionários e à própria estrutura, diálogo com deputados. Uma série de pontos que achamos importante e que estamos discutindo com o deputado Junior Mochi. O PT foi, inclusive, um dos primeiros partidos a articular sua candidatura”, completa Amarildo Cruz.

A posse dos deputados eleitos para a próxima legislatura e escolha da mesa diretora da Assembleia estão marcados para o próximo dia 1º de fevereiro, na sede do legislativo estadual.

Jornal Midiamax