Política

Deputados batem boca em CPI e Marun defende Eduardo Cunha

A discussão foi sobre uma nova convocação de Cunha

Diego Alves Publicado em 15/10/2015, às 01h12

None
marun-defende-sessaues-abertas-na-cpi-da-petrobras-1.jpg

A discussão foi sobre uma nova convocação de Cunha

Divergências sobre uma nova convocação do presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), à CPI da Petrobras para explicar as novas denúncias de contas secretas na Suíça geraram um bate-boca entre deputados nesta quarta-feira (14). Em meio as discussões, o deputado Carlos Marun (PMDB-MS) defendeu Cunha.

Diante da cobrança do deputado Ivan Valente (Psol-SP) de que Cunha volte a depor para explicar o que havia negado em depoimento anterior, em março, o deputado João Gualberto (PSDB-BA) acusou o Psol de ser um “partido auxiliar do PT”. Valente rebateu com uma ordem para que o tucano calasse a boca.

Para irritação dos parlamentares que blindam Cunha, Valente mostrou aos integrantes da CPI uma gravação em que Cunha afirmou que daria novos depoimentos “quantas vezes for necessário”. “Eduardo Cunha mentiu a esta CPI, e mentir aqui é crime”, completou o parlamentar do Psol, partido que entrou com representação no Conselho de Ética da Câmara pedindo a cassação do mandato do presidente da Câmara.

Posteriormente Marun interveio na discussão para argumentar que Eduardo Cunha foi transformado no “alvo principal das investigações e das acusações” e que o presidente da Câmara “não é protagonista” no esquema de corrupção na Petrobras. “Vazamentos seletivos querem levar o presidente desta Casa a uma execração pública e ele não merece isso”, reclamou Marun.

Jornal Midiamax