Política

Depois de depor no Gaeco, Olarte pode tentar antecipar saída da prisão

Olarte é investigado na Operação Coffee Break 

Heloísa Lazarini Publicado em 06/10/2015, às 18h39

None
img-20151006-wa0026.jpg

Olarte é investigado na Operação Coffee Break 

O prefeito afastado de Campo Grande, Gilmar Olarte, cumpre nesta terça-feira (6) último dia prisão. O prazo final para que ele permaneça detido na Companhia de Guarda e Escolta da Polícia Militar encerra à meia noite, porém, conforme informações obtidas pela equipe de reportagem do Jornal Midiamax, o advogado do vice-prefeito deve tentar antecipar a saída de Olarte para início da noite.

A tese da defesa para justificar liberação de Olarte antes do prazo final estabelecido pela Justiça, segundo informações apuradas, seria que o vice-prefeito já prestou depoimento, que aconteceu na manhã desta terça-feira (6) na sede do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), atendendo ao objetivo da prisão.

Gilmar teve pedido de prisão decretado pela Justiça em 30 de setembro deste ano e se apresentou na 3ª Delegacia de Polícia Civil, em Campo Grande, na sexta-feira (2). No mesmo dia, ele foi transferido para Companhia de Guarda e Escolta da Polícia Militar, que fica no Jardim Noroeste, ao lado do Presídio de Segurança Máxima.

Olarte é alvo da Operação Coffee Break, conduzida pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), que investiga esquema de compra de votos para cassar mandato do prefeito Alcides Bernal (PP), em março de 2014. O advogado do vice-prefeito, Jail Azambuja, no entanto, não atendeu ligações da equipe de reportagem nem retornou recados.

Desde que está detido na Companhia de Escolta, Gilmar Olarte participou de cultos na prisão, recebeu apenas visita do advogado e chegou a ser vaiado por familiares de presos da Máxima na manhã de sábado (3) ao ser reconhecido enquanto se dirigia em à sala especial para conversar com advogado.

Jornal Midiamax