Prefeitura precisa ‘se encaixar’ às exigências da situação econômica

Os ajustes na folha de pagamento de continuarão, disse na tarde desta sexta-feira (8) o prefeito de Campo Grande, (PP). Segundo ele, é a única forma de o Município equalizar as finanças em um cenário nacional de .

“A Secretaria de Finanças precisa se encaixar nas condições financeiras que a crise nacional oferece. O País passa por dificuldades e a cidade também, a rolar de outras que já tínhamos”, comentou Olarte, ao deixar a Escola Municipal Maria Tereza Rodrigues. No local, no bairro Santa Emília, ele entregou obras de reforma, em comemoração ao aniversário de 30 anos da unidade educacional.

Olarte não estipulou o valor a ser economizado com os ajustes. Em ocasiões anteriores, o secretário municipal de Administração, Wilson do Prado, disse que o objetivo era cortar R$ 20 milhões e, até o momento, a redução chegava à casa dos R$ 12 milhões.

Nesta sexta-feira (8), por exemplo, a Prefeitura revogou decreto de 2006 que concedia gratificação por desempenhos a médicos da rede municipal de saúde, além de definir redução de carga horária em alguns órgãos municipais. Algumas alterações também têm sido feitas na área de educação do Município.

Saiba Mais