Política

Ciúme entre aliados esquenta briga por cargos importantes na Assembleia

Onevan está disposto a brigar pela primeira secretaria se Zé Teixeira não se eleger presidente

Midiamax Publicado em 14/01/2015, às 10h07

None
a21.jpg

Onevan está disposto a brigar pela primeira secretaria se Zé Teixeira não se eleger presidente

Há quem aposte em uma composição fácil na Assembleia Legislativa para eleger Junior Mochi (PMDB) e Zé Teixeira (DEM) nos cargos mais importantes, presidência e primeira secretaria. Mas, o descontentamento de alguns deputados pode incendiar esta disputa que ainda está indefinida.

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) terá trabalho para convencer membros de seu próprio partido a apoiar a candidatura do deputado Zé Teixeira (DEM) aos principais cargos da Mesa Diretora. Depois da resolução petista de proibir alianças com DEM, PPS e PSDB, o que leva os votos dos quatro membros da bancada do PT para o deputado Junior Mochi (PMDB), o governador terá de convencer o deputado Onevan de Matos (PSDB) a apoiar seu candidato dentro da Casa.

 “Eu até que abro mão para ele (Zé Teixeira) ser presidente, mas não abro, se ele não se viabilizar presidente. Ai eu não abro mão de ser primeiro secretário”, disse Onevan. Zé Teixeira não descarta abrir mão da presidência para ficar com a 1ª secretaria da Assembleia, cargo responsável pela gestão financeira da Casa, mas agora terá como adversário um deputado do mesmo grupo.

 Zé Teixeira já chegou a dizer que um consenso vai dar a presidência e primeira secretaria para ele ou Mochi. Mas, o próprio peemedebista entende que é cedo para falar em eleição. Ainda de férias, Junior Mochi revelou ao Jornal Midiamax que não há nada definido. “Nós (deputados) ainda temos muito o que conversar”, declarou o peemedebista.

Outros interessados

Como único candidato declarado à 1ª secretaria, o deputado Paulo Corrêa (PR), pode ter problemas em atingir seu objetivo, com a chegada de Teixeira e Onevan na disputa. O tucano revelou também que ainda aguarda uma definição de Reinaldo sobre o caso.

Com quatro votos e a segunda maior bancada da Casa, o PT, que já definiu apoio a Mochi, tem a tendência de natural de pleitear a 1ª secretaria, ou bancar a candidatura de Corrêa, que apoiou o candidato do PT nas eleições de 2014.

Esta semana, o chefe da Casa Civil, Sérgio de Paula, também argumentou que o governador irá dedicar atenção especial à eleição da Mesa Diretora da Assembleia tão logo seja definido o novo presidente da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), cujo pleito está marcado para a próxima sexta-feira (16).

Jornal Midiamax