Política

Câmara aciona advogados e vereadores fazem reunião para avaliar ‘caso Alceu’

Procuradoria jurídica do Legislativo analisa assunto; parlamentares adotam cautela

Thatiana Melo Publicado em 19/04/2015, às 15h24

None
alceu_bueno.jpg

Procuradoria jurídica do Legislativo analisa assunto; parlamentares adotam cautela

A procuradoria da Câmara Municipal de Campo Grande foi acionada para estudar eventuais medidas a serem tomadas pela casa em relação ao caso de extorsão, com possível relação a exploração sexual de adolescentes, envolvendo o vereador Alceu Bueno (PSL). Vereadores afirmaram ao Jornal Midiamax que devem se reunir na segunda-feira (20) para avaliar a situação.

“Precisamos esperar o pronunciamento do delegado (Paulo Lauretto), na quarta-feira (22), para tomarmos nossas medidas. Mas, vamos nos reunir porque a Câmara vai tomar uma atitude, é uma situação que não cabe no nosso cenário”, disse na manhã deste domingo (19) o presidente da casa, Mario Cesar (PMDB).

O parlamentar também revelou que os advogados do Legislativo Municipal foram acionados para analisar a situação. No entanto, nenhuma conclusão foi antecipada.

Mario Cesar disse, justificando a postura de manter posição de isenção em relação ao assunto, não ter falado com Alceu Bueno desde a revelação do caso, o que ocorreu no início da noite de sexta-feira (17). O ex-vereador Robson Martins e o empresário Luciano Pageu foram presos em flagrante, no estacionamento de um supermercado da Capital, na tarde de quinta-feira (17), ao extorquirem o parlamentar.

Na ocasião da prisão, Bueno entregava R$ 15 mil, em dinheiro, à dupla, uma espécie de segunda parcela – a primeira foi de R$ 100 mil – para evitar que supostos conteúdos comprometedores, incluindo fotos e conversas por mensagens de celular, relativos ao envolvimento dele com adolescentes. Estas, pelo menos, são informações que constam no material policial enviado à Justiça após as prisões.

Desde a revelação do caso, colegas de mandato adotam postura de cautela em relação ao assunto, indicando a necessidade de apurar os fatos. “Ainda não consegui falar com Alceu Bueno, é muito recente, mas vamos conversar. Fiquei sabendo do caso pela mídia”, disse neste domingo Vanderlei Cabeludo (PMDB).

“É muito triste, desagradável e péssimo, já passei por isto em 2000, no caso que envolvia os ex-vereadores Robson Martins e César Disney. Alem de ser colega, vira julgador, é complicado fazer uma avaliação pré-matura”, ponderou Paulo Pedra (PDT). Os dois peemedebistas, assim como o pedetista, falaram que o assunto será discutido em reunião entre os parlamentares, na segunda.

Jornal Midiamax