Política

Bernal exonera coordenadores de CRAS e não é poupado na Câmara

'Tenho certeza que ele é bipolar', disse vereador

Midiamax Publicado em 05/11/2015, às 15h56

None
siufi_0411_400x300_cmcg.jpg

'Tenho certeza que ele é bipolar', disse vereador

O prefeito de Campo Grande, Alcides Bernal (PP), exonerou 16 coordenadores de unidades ligadas à área de assistência social, incluindo CRAS (Centro de Referência de Assistência Social), Unidas (Unidade Descentralizada de Assistência Social) e outros. A decisão gerou reação imediata na Câmara Municipal.

As exonerações constam no decreto “PE” número 3.322, publicado nesta quinta-feira (5) no Diogrande (Diário Oficial de Campo Grande). São nove coordenadores de CRAS, dois de Unidas, além das coordenadorias do CCI (Centro de Convivência do Idoso) Monte Castelo, Cecapro (Centro de Qualificação Profissional) e Creas (Centro de Referência Especializado de Assistência Social) Sul.

“Muitos (dos exonerados) estão há anos no cargo. Será que são todos incompetentes?”, questionou Chiquinho Telles (PSD), durante a sessão desta quinta-feira (5). O presidente em exercício da Câmara, Flávio César (PTdoB), também reclamou: “esses servidores têm função estratégica no aspecto social nos bairros, isso (exonerações) é preocupante”.

Segundo Paulo Siufi (PMDB), há entre os exonerados servidores com 25 anos no cargo. “Triste ver as pessoas demitidas e, mais ainda, pela psiquiatra do Bernal, que não está dando remédio para ele”, mandou o peemedebista: “tenho certeza que ele é bipolar”.

Já o vereador Alex (PT) comparou a decisão ao “coronelismo e perseguição, como era com Puccinelli”, referindo-se ao ex-prefeito e ex-governador André Puccinelli (PMDB). Thais Helena (PT) sugeriu que a chefe da SAS (Secretaria Municipal de Políticas e Ações Sociais e Cidadania, Marcela Rodrigues Carneiro, seja convocada a dar explicações, avaliando ser preocupante, além das exonerações, não terem sido nomeados substitutos.

O decreto não detalha o motivo das exonerações. Consta, como especificação, o “Ofício n. 1.669/DPA/SAS/2015”.

Jornal Midiamax