Política

Após polêmica com Puccinelli, Fábio é o primeiro Trad a abandonar PMDB

Marquinhos e Nelsinho também ensaiam saída, mas ainda não têm data para deixar o partido

Jessica Benitez Publicado em 15/06/2015, às 21h08

None
Ex-deputado foi o primeiro dos irmãos Trad a deixar o PMDB (Reprodução, Facebook)

Marquinhos e Nelsinho também ensaiam saída, mas ainda não têm data para deixar o partido

Depois da polêmica envolvendo os irmãos Trad e o ex-governador do Estado, André Puccinelli (PMDB), o ex-deputado federal, Fábio Trad, foi o primeiro a pedir desfiliação da cúpula peemedebista na tarde de hoje. A solicitação foi protocolada no Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul (TRE/MS), o ex-prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho e o depurado estadual Marquinhos Trad também ensaiam deixar o partido, mas até agora não definiram data para isso.

Embora haja rumores de que estaria em negociação com o PSD, Fábio afirma que aguardará a Reforma Política entrar em vigor para definir qual será sua ‘nova casa’. “Vou aguardara definição do quadro”, disse. No início do ano ele chegou a pedir para sair da sigla, mas logo depois voltou atrás. Agora a vontade de alçar novos vôos foi reforçada pelo desentendimento que protagonizou juntou aos irmãos com Puccinelli.

Na semana passada o cacique peemedebista disse em entrevista que Nelsinho, que foi candidato ao Governo do Estado, causou a derrota do PMDB nas ultimas eleições porque não percorreu por Mato Grosso do Sul em busca de votos. Indignado o ex-prefeito usou o Facebook para emitir resposta e deixou claro ter sido traído por correligionários no pleito de 2014. “Antes ser o traído do que ser o traidor”, alfinetou. Ele assegurou ter visitado 68 dos 79 municípios. “Participei de milhares de reuniões, e posso afirmar a todos vocês que, em muitas delas, mesmo estando ao meu lado, o ex-governador André Puccinelli sequer mencionou o meu nome”, finalizou a nota.

Diante da troca de farpas, Fábio gravou vídeo orientando o irmão a não aceitar humilhações e deixar o PMDB. “Se você está se sentindo incomodado com as agressões desnecessárias que você vem sofrendo em virtude de ter pago o preço de ser leal e fiel a um correligionário e companheiro na política, posso te dizer, sem sombra de dúvidas, como aquele que ama você de verdade, reaja”, pediu.

Nelsinho confirmou que não ficará na legenda, mas só se desfiliará depois da votação completa da Reforma Política. Marquinhos não se manifestou nas redes sociais, mas desde o final do ano passado diz aos quatro ventos que deixará o PMDB alegando perseguição. O partido pode requerer a suplência de Fábio na Justiça.

Jornal Midiamax