Política

Após abertura de CPI contra prefeito, vereador denuncia ameaça de colega

Johnys faz parte da oposição contra chefe do Executivo

Jessica Benitez Publicado em 09/08/2015, às 11h00

None
camara_bv.jpg

Johnys faz parte da oposição contra chefe do Executivo

Após abertura CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) para apurar supostas irregularidades cometidas pelo prefeito de Bela Vista, Renato Rosa (PSB), na Câmara Municipal da cidade, o vereador Johnys Basso (DEM) insinua estar sendo perseguido por um colega de parlamento, mas sem citar nomes. Ele usou o Facebook para fazer desabafo e afirmou que a integridade de sua família está sendo ameaçada.

“Quer me ameaçar? Fique a vontade! Cachorro sem pedigree não me amedronta, e volto a dizer tenho nojo de bandidos e vagabundos, deixem meus pais, esposa, filhos e pessoas que fazem parte da minha vida de fora. Quer fazer algo façam comigo, não volto atrás das minhas denúncias e muito menos renunciar. Vou tentar ou até mesmo mudar essa política arcaica de Bela Vista. Você sabe pra quem to falando”.

Nos comentários alguns internautas ficaram curiosos, porém o legislador manteve mistério com mais indiretas. “Você quer saber quem eh? Eh só consultar o nome dos vereadores no site do TJ/MS, o que tiver mais processo eh ele. Fácil”, disse a uma seguidora. “Fácil e simples, mas esse vai pagar na Justiça”, completou o legislador que faz parte da oposição e, inclusive, chegou a pedir afastamento de Renato em abril.

A Câmara de Bela Vista virou protagonizou notícias na semana passada por conta de abertura de CPI contra o prefeito. A recomendação para haver investigação partiu do MPE (Ministério Público estadual) e assinada pelo promotor de Justiça Alexandre Estuqui Júnior. Segundo ele, as irregularidades são supostas fraudes, desvio de dinheiro público, improbidade administrativa e falta de pagamento dos servidores públicos municipais, além de outras condutas contra a moralidade administrativa e responsabilidade fiscal, todas passíveis de sanções na esfera administrativa e judicial.

O chefe do Executivo, porém, alega não estar a par do assunto. Apenas se limitou a dizer que os vereadores que foram favoráveis à CPI foram são os mesmo tentaram impedir sua posse. “Mas posso te informar que esses mesmos vereadores não quiseram me dar posse na época em que ganhei as eleições”, afirmou. A Casa de Leis chegou a afastá-lo do cargo em abril deste ano, mas por força de liminar ele conseguiu voltar ao Paço.

Jornal Midiamax