Política

Ao contrário de Amorim, Gilmar Olarte respondeu todas perguntas do Gaeco

Vice-prefeito depôs por mais de 2 horas 

Heloísa Lazarini Publicado em 14/10/2015, às 18h29

None
Depoimento de Olarte no Gaeco durou 2 horas e meia/Foto: Arquivo Midiamax

Vice-prefeito depôs por mais de 2 horas 

Diferente do empresário João Alberto Krampe Amorim dos Santos, que permaneceu as três horas de depoimento em silêncio, o prefeito de Campo Grande afastado, Gilmar Olarte, respondeu todas as perguntas feitas pelo Promotor do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), Marcos Alex Vera. Conforme órgão investigativo, algumas das perguntas feitas a Olarte e Amorim foram as mesmas.

Por conta disso, segundo órgão, a equipe formada por quatro investigadores do setor de inteligência designados para analisar laudos da perícia feita em 17 aparelhos celulares deverá focar trabalho na confrontação de informações obtidas com o que foi dito por Olarte em depoimento, no dia 6 de outubro. Na ocasião, o vice-prefeito afastado depôs durante duas horas e meia.

Além das 400 mil páginas obtidas pelo Instituto de Criminalística que recuperou mensagens, ligações e conversas por aplicativos e redes sociais, dos celulares de vereadores, João Amorim e Gilmar Olarte, o Gaeco recebeu, também, informações obtidas com quebra de sigilo fiscal e bancário dos investigados. Os laudos da perícia e documentos foram entregues nesta quarta-feira (14) ao Promotor Marcos Alex.

Conforme órgão, o trabalho ficou dividido da seguinte forma: quatro investigadores do setor de inteligência que acompanham o caso desde início da Operação Cofee Break irão confrontar informações da perícia com depoimentos e uma equipe formada por contadores irá analisar dados bancários e declarações de renda. Todas contas bancárias investigadas são do Brasil.

O Gaeco não informou prazo para que análise de todo material seja concluída, mas informou que existe possibilidade de convocar Olarte e os demais envolvidos para prestar novo depoimento caso haja informações divergentes.

Jornal Midiamax