Política

Além de cortar gratificações, Prefeitura deve parcelar salários, diz Mario Cesar

Parcelamento deve valer já para os vencimentos de abril

Midiamax Publicado em 29/04/2015, às 13h55

None
capa_1.jpg

Parcelamento deve valer já para os vencimentos de abril

A Prefeitura de Campo Grande parcelará o salário dos servidores já a partir do próximo pagamento, referente a abril. A confirmação foi feita pelo presidente da Câmara Municipal, Mario Cesar (PMDB), durante a sessão desta quarta-feira (29).

O vereador disse ter se reunido com o chefe da pasta municipal de Administração, Wilson do Prado, na terça-feira (28), ocasião em que soube haver “entendimento sobre o parcelamento dos salários”. “Eu disse para o secretário que estão abusando de momento de crise para tentar surfar nesta oportunidade”, discursou o peemedebista.

A confirmação do parcelamento ocorreu após questionamento feito pelo vereador Eduardo Romero (PTdoB), durante sessão itinerante, nesta quarta, na sede do CRA-MS (Conselho Regional de Administração). Segundo ele, o até então boato sobre a medida era de que uma parte do salário será paga no começo do mês e a outra no dia 20.

“Isso é uma preocupação, a Prefeitura deveria pelo menos se pronunciar para não fazer nenhuma surpresa”, disse o vereador. Carlão (PSB) sugeriu que a Câmara Municipal convoque o prefeito, Gilmar Olarte (PP), para dar explicações sobre a real situação financeira do Executivo.

Mario Cesar, ao confirmar os planos da Prefeitura de fazer o parcelamento, disse haver “atitudes que podem ser tomadas antes de fazer intervenções como estas e as que estão sendo feitas na Saúde, na Educação”. O parlamentar se refere, também, a cortes de gratificações promovidas pelo Município no intuito de reduzir o custo da folha de pagamentos.

De acordo com Mario Cesar, a atual gestão tem, por exemplo, 1.044 cargos comissionados, enquanto os antecessores de Olarte tinham 392 (Alcides Bernal, PP) e 644 (Nelsinho Trad, PMDB). “Não podemos ter este tipo de surpresa. Campo Grande precisa voltar a crescer”, disse Carlão.

Jornal Midiamax