Política

Adiamento de processante mantém clima de suspense na Câmara

Vereadores mudam de posição diariamente

Midiamax Publicado em 11/06/2015, às 09h50

None
safe_image.jpg

Vereadores mudam de posição diariamente

Há pelo menos 15 dias a votação da comissão processante é adiada na Câmara de Campo Grande. Agora, está marcada para a próxima terça-feira. Este adiamento só contribui para o aumento da ansiedade dos vereadores, que contabilizam votos para saber se a comissão sai ou não do papel.

O suspense é grande porque a cada dia que passa dos vereadores ganham mais tempo para refletir e também aumentar as dúvidas. Este é o caso, por exemplo, da dupla de vereadores do PRB, Gilmar da Cruz e Betinho. Até alguns dias atrás eles se declaravam contra a processante e hoje já estão indecisos.

“Estamos avaliando o trabalho do prefeito para ver se vale a pena continuar ou não na base. Estamos indecisos em relação a processante e vamos decidir até o dia da votação. Por enquanto estamos com ele, mas com responsabilidade”, declarou Gilmar da Cruz.

É justamente nestas dúvidas que a oposição aposta para abrir a processante. Por isso fizeram um pedido para que reduza de 20 para 15 votos o quórum para abertura da comissão processante. Eles entendem que com 15 votos dificilmente o prefeito Gilmar Olarte (PP) conseguiria escapar da processante.

O líder do prefeito na Câmara, Edil Albuquerque (PMDB), se diz confiante de que a processante não emplaca. Porém, teme que mudanças no número de votos e o adiamento da votação favoreça a oposição, que investe no convencimento de parlamentares.

Jornal Midiamax