Política

Puccinelli demite comissionados do 1º escalão e Azambuja escolherá quem fica

Reinaldo prometeu também recadastrar todos os efetivos até o dia 15 de fevereiro

Ludyney Moura Publicado em 31/12/2014, às 09h48

None
reinaldo_azambuja-andre_puccinelli-governadoria-gw3.jpg

Reinaldo prometeu também recadastrar todos os efetivos até o dia 15 de fevereiro

A posse de Reinaldo Azambuja (PSDB) como governador de Mato Grosso do Sul vai marcar também a demissão de todo o secretariado da gestão de André Puccinelli (PMDB). Os demais comissionados vão depender da boa vontade do tucano.

“O governador (Puccinelli) vai demitir os cargos de 1º escalão, e os outros vamos analisar. Vou propor diminuição de cargos em comissão, e cada secretário vai, dentro de sua secretaria ou autarquia, ver as pessoas que são imprescindíveis para o bom desempenho do trabalho” disse o governador eleito ao Jornal Midiamax.

Números fornecidos pela atual administração estadual revelam que dos pouco mais de 2,8 mil cargos em comissão do governo, 2,2 mil estão preenchidos. Reinaldo já revelou que quer diminuir ainda mais este número. “Será determinado a cada secretário uma redução dos números de cargos em comissão de cada secretaria”, disse.

A saída de funcionários que ocupam cargos no Estado por indicação política não vai implicar, necessariamente, na chegada de servidores efetivos oriundos de concurso público.

“Vamos ver dentro das demandas, quais lugares onde temos maior defasagem de pessoal. Se usar tecnologia e informação, de repente não precisa tantas pessoas, pode ser feito mesmo serviço com menos pessoas”, explicou Azambuja.

Outro ponto abordado pelo governador eleito na entrevista exclusiva que concedeu ao Jornal Midiamax na manhã desta terça-feira (30) foi o remanejamento dos servidores efetivos. O tucano quer devolver os funcionários a suas funções de origem, para ter uma exata noção do quadro de pessoal do governo estadual. “O recadastramento será feito de 10 de janeiro a 15 de fevereiro”, finalizou Reinaldo. 

Jornal Midiamax