Política

Justiça nega recurso de deputado condenado à perda do mandato e multa de R$ 6,5 milhões

A Justiça negou nesta terça-feira (8) mais um recurso do deputado estadual Junior Mochi (PMDB). O parlamentar está condenado à perda dos direitos políticos por 8 anos – o que implica a perda do mandato – e multa de R$ 6,5 milhões. As irregularidades foram praticadas quando ele era prefeito de Coxim, entre 2001 e […]

Arquivo Publicado em 08/04/2014, às 17h46

None

A Justiça negou nesta terça-feira (8) mais um recurso do deputado estadual Junior Mochi (PMDB). O parlamentar está condenado à perda dos direitos políticos por 8 anos – o que implica a perda do mandato – e multa de R$ 6,5 milhões. As irregularidades foram praticadas quando ele era prefeito de Coxim, entre 2001 e 2004. É a terceira vez que o parlamentar tenta recorrer sem sucesso.

Também tiveram recursos negados outros condenados no mesmo processo: O atual assessor do Departamento de Obras da Prefeitura de Três Lagoas, Getúlio Neves da Costa Dias, e a empresa Tocmax. Getúlio, que era secretário municipal de Desenvolvimento e Infraestrutura de Coxim, deverá perder o cargo atual, além de pagar multa equivalente ao dobro do prejuízo causado à União, em valor atualizado, e ser proibido de contratar com o poder público ou receber benefícios e incentivos fiscais por cinco anos.

Já a empreiteira Tocmax, que executou a obra, deverá devolver o triplo do prejuízo causado à União, em valores atualizados, além de ser proibida de contratar com o poder público ou receber benefícios e incentivos fiscais por cinco anos.

O Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul (MPF/MS) encontrou indícios de fraude na aplicação de R$ 310 mil em recursos federais para construção e implantação do aterro sanitário de Coxim, que nunca foi colocado em operação. Um dos argumentos da prefeitura era que a construção do aterro iria “retirar as crianças do lixão”.Ainda existem recursos dos réus pendentes nesta ação de improbidade administrativa.

Dinheiro gasto e obra não finalizada

As principais falhas encontradas pelo MPF na obra são a ausência de drenagem pluvial adequada, de sistema de tratamento de chorume e de rejeitos inorgânicos, além da inexistência de licenciamento ambiental para instalar e operar o aterro.

Também foram consideradas irregulares as prestações de contas da prefeitura ao Tribunal de Contas da União (TCU), em relação ao convênio para a realização da obra. Em contrapartida, o governo federal solicitou a devolução dos recursos repassados, mas o pedido não foi atendido por Mochi.

(Com informações do Ministério Público Federal de Mato Grosso do Sul)

Jornal Midiamax