Política

Fazendeiros pedem a Puccinelli para cobrar de Dilma revisão do preço de terras indígenas em MS

Depois de conversa com o governador André Puccinelli (PMDB) na Governadoria, o presidente da Acrissul (Associação de Criadores de Mato Grosso do Sul), Chico Maia, diz estar confiante em acordo pelo valor das terras de fazenda na região do Buriti, em Sidrolândia, a 71 quilômetros da Capital. O valor das terras foi avaliado pelo governo […]

Arquivo Publicado em 13/02/2014, às 14h18

None

Depois de conversa com o governador André Puccinelli (PMDB) na Governadoria, o presidente da Acrissul (Associação de Criadores de Mato Grosso do Sul), Chico Maia, diz estar confiante em acordo pelo valor das terras de fazenda na região do Buriti, em Sidrolândia, a 71 quilômetros da Capital.

O valor das terras foi avaliado pelo governo federal em R$ 78 milhões. Já os produtores rurais avaliam em R$ 150 milhões. Chico Maia pediu a Puccinelli que, no encontro com a presidente Dilma (PT), leve o questionamento do valor imposto pelo governo federal. “Os critérios utilizados para definir este valor não estão tecnicamente corretos”, disse.

Confiante, o presidente da Acrissul diz esperar que o governo interceda. O prazo para os produtores rurais darem resposta para o governo federal termina dia 27 de fevereiro.

“É fase de negociação, mas acredito que vá haver entendimento. Só espero agilidade, que isso seja resolvido antes do calor das eleições, porque depois entram outros condimentos”, disse, frisando que o governador está do lado dos produtores.

O presidente da Acrissul ainda fez questão de ressaltar que nenhum produtor estava colocando as terras à venda. “Estamos cedendo as terras para ter paz no campo. Tem valor sentimental e financeiro para repor na vida dos produtores”, declarou.

Chico Maia finalizou dizendo que o grande show da Expogrande seria o cheque do governo federal com o valor desejado pelos produtores. “Esse show seria melhor que o do Luan Santana”.

Os conflitos na região, entre índios e produtores, causou morte de indígena na terra, no ano passado. A partir daí, o governo federal interveio no caso.

Jornal Midiamax