Política

Com perdas e sem sucessor, Puccinelli começa a se despedir do governo

Atual governador usou as redes sociais para mandar recado aos eleitores

Ludyney Moura Publicado em 28/12/2014, às 12h29

None
_andre_puccinelli_-_minamar.jpg

Atual governador usou as redes sociais para mandar recado aos eleitores

No último domingo do ano, o atual governador André Puccinelli (PMDB), à exemplo de seu sucessor, também foi às redes sociais para se despedir do sul-mato-grossense. Apesar de prometer uma extensa agenda de inaugurações na reta final de seu mandato, o peemedebista tem acumulado algumas derrotas às vésperas de passar o cargo.

“Bom dia meus amigos e amigas de Mato Grosso do Sul! Chegamos ao último domingo de 2014. Venho agradecer a vocês pela confiança, parceria e principalmente por terem me dado a honra de governar este Estado nos últimos oito anos. Foi uma alegria e uma satisfação para mim. Desejo que nesta última semana do ano possamos fechar com êxito nossos projetos e nos preparar para novas conquistas no ano que em breve se inicia. As famílias sul – mato-grossenses o meu abraço. Bom domingo!”, postou Puccinelli em sua página oficial no Facebook.

Desde o último 23 de dezembro, o governador tem cumprido agenda interna na governadoria, mas prepara algumas inaugurações que considera importantes, como a pavimentação da rodovia MS-040, que custou mais de R$ 270 milhões e será entregue amanhã em Santa Rita do Pardo.

Todavia, o governador sairá de cena sem conseguir deixar um sucessor, tampouco uma liderança política com força suficiente para trilhar seu caminho. Em 2012 viu seu principal aliado Edson Giroto, hoje no PR, ser derrotado nas eleições para prefeito da Capital. Mesma situação deste ano, já que o candidato de seu partido, Nelsinho Trad, sequer foi para o 2º turno.

Giroto aliás ainda terminou o ano fora da gestão peemedebista. De braço direito a preterido, o republicano viu seu tutor político escolher o deputado Antônio Carlos Arroyo (PR), para a vaga aberta no TCE (Tribunal de Contas do Estado), nomeação esta já publicada por Puccinelli, mas barrada pela Justiça Estadual.

Em oito anos de governo, Puccinelli acumulou poucas derrotas jurídicas e legislativas, que se tornaram mais comuns neste último mês. Até mesmo a Assembleia, onde quase não teve oposição nos dois mandatos, ousou derrubar vetos e barrar projetos enviados pelo Executivo nas derradeiras sessões da corrente legislatura.

Além da cerimônia de entrega da MS-040, o governador entrega obras amanhã (29) em Bataguassu e Campo Grande. Porém, não verá sua obra mais emblemática, o Aquário do Pantanal, em funcionamento durante sua gestão. Atrasos na execução da obra deixarão o trabalho a cargo de Azambuja, que já prometeu não investir mais dinheiro no local sem uma acurada auditoria técnica.

Jornal Midiamax