O vereador Alex do PT não está com paciência para esperar o prefeito Alcides Bernal (PP) se movimentar para ter maioria na Câmara ou, ao menos, conseguir 10 votos para escapar da cassação no dia 30 de dezembro, quando deve ocorrer o julgamento na Comissão Processante da Câmara. Irritado com mais uma derrota na Casa, em que o prefeito não conseguiu aumentar o percentual de suplementação, Alex desabafou para os colegas, entregando o cargo.

“Meu cargo está à disposição. Estou de boa. Sou companheiro e vou fazer parte da base. Chega de ficar só marcando território. Não podemos ficar só colecionando derrotas”, reclamou, contestando a paciência da vereadora Luiza Ribeiro (PPS) com o prefeito.

Alex disse aos colegas que nos últimos meses, seja de manhã, tarde ou noite, só ficou empenhado em conseguir a governabilidade, que até agora não saiu das conversas. “A gente não sai do lugar. Isso estressa a gente. Vamos ficar nessa até quando?”, questionou.

Durante o desabafo Alex ainda questionou a derrota da suplementação, perguntando por que Dr. Jamal (PR) e João Rocha (PSDB) não seguiram com a base. João Rocha já foi mais próximo do prefeito, mas desistiu depois de ser preterido como secretário de Governo. Já o vereador Jamal ficou mais próximo de Bernal depois que indicou Lilian Maksoud para o IMPCG. Todavia, nenhum demonstrou compromisso com a base.

A roupa suja da base foi lavada durante a sessão da Câmara, com a participação de Cazuza (PP), Luiza, Alex, Gilmar da Cruz (PRB), Ayrton do PT, Zeca do PT (que acompanhava de longe) e Paulo Pedra (PDT), que concordava com Alex, dizendo que não se pode deixar para falar de voto no dia do julgamento da cassação.

Esta não é a primeira vez que Alex do PT entrega o difícil posto de líder do prefeito. Ele já entregou o cargo ao prefeito após uma discussão que também teve como motivo a falta de ação para fazer a governabilidade. Na ocasião, Alex entregou o posto e o PT ameaçou deixar a base, mas recuou depois que Bernal prometeu indicar um secretário de Governo.