Política

Com dinheiro em caixa, vereadores não admitem inadimplência da prefeitura

Coleta de lixo é suspensa a partir das 18h por falta de quatro meses de pagamento da prefeitura a CG Solurb. Funcionários vão cruzar os braços, pois ficarão sem o 13° salário.

Arquivo Publicado em 18/12/2013, às 19h11

None
1008834051.jpg

Coleta de lixo é suspensa a partir das 18h por falta de quatro meses de pagamento da prefeitura a CG Solurb. Funcionários vão cruzar os braços, pois ficarão sem o 13° salário.

Com as horas contadas para a parada da coleta de lixo, vereadores de Campo Grande questionam para onde está indo o dinheiro da administração municipal, já que a arrecadação do município não justifica o atraso de quatro meses da prefeitura com o contrato da CG Solurb. Sem o pagamento, os funcionários vão ficar sem receber o 13° salário e cruzam os braços nesta quarta-feira (18), a partir das 18h. 

“Mais um descaso do poder executivo, falta de governo, conhecimento da maquina pública. Vamos virar o ano com a cidade imunda, nesse risco da Solurb suspender. Estão preocupados com outras coisas. Ele entrou no cargo infelizmente para negociar e não para outra coisa”, ataca Chiquinho Telles (PSD).

Principal crítico da administração de Bernal, Eliseu Dionízio (SDD) afirma que caso a coleta seja paralisada o fato consistirá em mais uma prova de que o prefeito não está preparado para exercer o cargo eleito pelo povo. O vereador do Solidariedade diz ainda que a Gestão Pública aprovou o contrato que tinha com a concessionária quando quitou os débitos anteriores e manteve o vínculo após a última suspensão do serviço, em setembro.

“Falta preparo dele para ser o principal empregado de Campo Grande. Não há motivo para essa inadimplência, a não ser que exista um interesse pessoal. O Ministério Público, a OAB/MS e o Tribunal de Contas me dá aval a todas as críticas que faço a Prefeitura como parlamentar. No entanto, quem apoia as alegações do prefeito que alega estar sendo perseguido. Não adianta ficar no pé de manga esperando laranja cair. Meu pai dizia isso e a população está vendo que não poderá esperar muita coisa dessa gestão”, respondeu.

Surpresa com a notícia, Rose Modesto lembrou-se do poder de arrecadação que a Capital tem e o risco para a saúde pública com a suspensão da coleta. Para a vereadora, se a concessionária parar a Câmara Municipal e a Justiça precisa ter uma postura que preserve a sociedade.

“Eu lamento muito se isso acontecer. Com o tanto que Campo Grande arrecada, não dá pra justificar falta de dinheiro. Chegar nesse nível de ficar sem um serviço básico é péssimo para qualquer cidade, quanto mais para uma Capital. Isso é muito sério, e gerando consequências a Justiça e a Câmara Municipal precisa intervir”, relata.

A Prefeitura de Campo Grande ainda não confirma a informação de inadimplência veiculada pela Solurb nesta terça-feira (18). A assessoria diz que o prefeito deve responder sobre a denúncia de atrasos de pagamentos ainda nesta tarde. Ao Midiamax, no entanto, garantiu que a Solurb não havia realizado nenhum comunicado oficial sobre o impasse.

“Não precisa chegar no limite para discutir o pagamento de uma prestação de serviço. Coleta de lixo é essencial, ninguém pode discordar disso. A Prefeitura tem dez meses para uma nova licitação, isso é o que eu sei. Tem que haver mecanismos, construídos com diálogo e eficácia para que de quatro em quatro meses não ocorra essa situação. A Sociedade só é avisada desse problema pela concessionária no último momento antes de parar”, fala o líder de Bernal na Câmara, Alex do PT, pego de surpresa com a informação.


Jornal Midiamax