Política

Sudalene diz que mantém pré-candidatura em Ponta Porã mesmo com prisão do marido

Cláudio Rodrigues, presidente municipal do PC do B, foi preso durante investigação do sumiço do filho de Fahd Jamil. "Conseguiram vencer uma batalha, mas não a guerra", diz esposa do suspeito.

Éser Cáceres Publicado em 01/05/2012, às 20h08 - Atualizado em 16/10/2020, às 10h43

'Meia-Água' (dir.) foi apontado como suspeito pela morte de Danielito, mas negou (Reprodução, Sejusp)
'Meia-Água' (dir.) foi apontado como suspeito pela morte de Danielito, mas negou (Reprodução, Sejusp) - 'Meia-Água' (dir.) foi apontado como suspeito pela morte de Danielito, mas negou (Reprodução, Sejusp)

A advogada e pré-candidata à prefeitura de Ponta Porã pelo PT, Sudalene Machado Rodrigues, comentou nesta terça-feira (1º) a prisão de seu esposo e presidente do diretório municipal do PC do B, na mesma cidade, Claudio Rodrigues de Souza, o Meia–Água. Ele foi detido na tarde desta segunda-feira (30), em Ponta Porã.

Sudalene classifica a prisão como uma batalha que faz parte de uma guerra, que seria política na intenção de enfraquecer sua candidatura.

“Infelizmente conseguiram vencer uma batalha, mas não a guerra…mas aqueles que ficaram contentes vai a dica: ninguém fica preso sem provas”, diz trecho do comentário postado por Sudalene Machado em seu perfil no Facebook. Ela afirma ainda que não pretende retirar sua candidatura a prefeita da cidade

Pelo telefone celular de Sudalene, a reportagem conversou com Luiz Carlos Matos, que se apresentou como advogado de Claudio Rodrigues. Ele não comentou a prisão de seu cliente e disse que está tomando conhecimento de tudo o que está acontecendo primeiro. “Estou me inteirando dos motivos que levaram à decretação da prisão temporária para então nos manifestarmos”, informou.

Ele confirmou que a família teria sido informada sobre a transferência de Cláudio Rodrigues para Campo Grande.

O pedido de prisão temporária de Claudio Rodrigues foi concedido pelo juiz da 2ª Vara de Campo Grande, Aluízio Pereira. A informação é que ele foi preso por uma equipe da Delegacia Especializada de Homicídios com apoio da Força Nacional e depois trazido para Campo Grande. Extraoficialmente, a informação é que ele está numa cela provisória da Delegacia Especializada de Roubos e Furtos (DERF).

A prisão está ligada à investigação do sumiço de Daniel Alvarez Georges, 42 anos, filho de Fahd Jamil. Mas, na Polícia Civil, ninguém se manifestou oficialmente até o momento. O delegado Edilson Santos da DEH, conduz o inquérito sobre o desaparecimento de Daniel.

Danielito, como é conhecido, está desaparecido desde 3 de maio de 2011. A informação é que ele desapareceu logo após sair de um shopping da Capital, mas a família só comunicou o fato à polícia no dia 11 daquele mës.

Segundo informações da família repassadas na época para a polícia, no dia 3 de maio ele foi visto por volta das 12 horas no Shopping Center Campo Grande. O único detalhe informado é de que ele trajava calça jeans e camisa e saiu do local acompanhado de mais duas pessoas. Uma dessas pessoas seria Cláudio Rodrigues.

Em entrevista exclusiva ao Midiamax, Cláudio negou qualquer envolvimento com o sumiço de Daniel e disse que não foi a última pessoa a ser vista com o desaparecido.

Em relação a pré-candidatutra de Sudalene, a reportagem entrou em contato com o presidente Regional do PT, Marcus Garcia, mas ele não atendeu as ligações.

Caso Rocaro: jornalista assassinado na fronteira

Claudio Rodrigues, chegou a ser apontado em rumores na cidade como o principal suspeito de envolvimento com o assassinato do jornalista Paulo Rocaro, ocorrido em 12 de fevereiro deste ano, em Ponta Porã. Ele também nega envolvimento.

Jornal Midiamax