O prefeito de Campo Grande, (PMDB), declarou nesta quarta-feira (7), durante visita a Associação dos Moradores de Mato Grosso do Sul (Assomasul), que não tem pretensão de ser presidente estadual do PMDB. O nome de Nelsinho foi lembrado pelo presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB). “Agradeço a deferência, mas deixo a missão para um companheiro mais habilitado e qualificado”.

Nelsinho declarou que ainda não sabe se assumirá o cargo de assessor prometido pelo governador André Puccineli (PMDB). Ele explicou que aguarda uma definição que será feita mais para frente. Questionado se não teme um esquecimento e até dificuldade para se viabilizar como candidato quando ficar sem mandato, Nelsinho disse que não tem preocupação com isso. “Tenho uma história, trabalho e uma vida de serviços prestados”.

Nelsinho também usou um tom bem mais ameno ao comentar a polêmica com o presidente estadual do PMDB, Esacheu Nascimento. O prefeito disse que a resposta já foi dada por lideranças que engrossaram o discurso de que o momento é de união e de reavaliar frases mal colocadas. “Sou de agregar. Trazer para dentro e seguir em frente”.

Esacheu disse em entrevista ao Midiamax que o prefeito saiu fragilizado da eleição em Campo Grande e defendeu Simone Tebet (PMDB) como candidata ao Governo do Estado. Indagado se enfrentaria pesquisas para a escolha de seu nome, Nelsinho se esquivou e declarou que não gostaria de falar sobre o assunto.