Política

Manifestante quebra ovos na própria cabeça em protesto a salário de vereadores

O militar aposentado, José Magalhães, 66 anos, parou a sessão da Câmara de Campo Grande por alguns minutos na sessão desta quinta-feira (6). O militar quebrou quatro ovos na própria cabeça em protesto contra o reajuste de salário dos 29 vereadores que chegam a Câmara em 2013. José Magalhães estava sentado na segunda fileira do […]

Arquivo Publicado em 06/12/2012, às 15h31

None
1137213510.jpg

O militar aposentado, José Magalhães, 66 anos, parou a sessão da Câmara de Campo Grande por alguns minutos na sessão desta quinta-feira (6). O militar quebrou quatro ovos na própria cabeça em protesto contra o reajuste de salário dos 29 vereadores que chegam a Câmara em 2013.

José Magalhães estava sentado na segunda fileira do auditório, atrás de um cartaz com os dizeres: “subsídio/vereador: R$ 15 mil. Arbítrio, violência e desrespeito a população”. Ele atirou os ovos contra o corpo no momento em que o presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB), dava entrevista a imprensa, justificando que o aumento do salário segue a constituição.

“Que eles sejam atingidos simbolicamente. É um ato de repúdio. Não posso ser violento e jogar neles. Que eles recebam simbolicamente e sintam-se atingidos. Vereador não tem salário, tem subsídio. É uma ajuda de custo. Como cidadão não quero mais pagar este valor. Sintam-se ovados e não ovacionados. Me sinto roubado em pagar R$ 15 mil para um vereador”, protestou.

O presidente da Câmara, Paulo Siufi (PMDB), afirmou que para dar o reajuste a Casa fez um estudo, verificando que não teria problemas no orçamento. Segundo o presidente da Câmara, os vereadores seguiram o que determina a constituição, que é de receber 75% do que ganha um deputado estadual.

O reajuste de 61,9 % para os 29 vereadores que chegam a Casa em 2013 foi aprovado na sessão de terça-feira (4). Com isso, os vereadores deixarão de receber R$ 9.280,00 bruto para ganhar R$ 15.031,00 em 2013. A Câmara receberá em 2013 R$ 49 milhões mensais de duodécimo repassado pelo Poder Executivo.

Jornal Midiamax