Política

Líder do consórcio do lixo desconhece nota publicada contra Bernal no Correio do Estado

O líder do consórcio CG Solurb Ambiental, Fernando Garcia, informou ao Midiamax que desconhece nota publicada na edição deste domingo (28), no jornal Correio do Estado. A nota de esclarecimento contradiz questionamento do candidato a prefeito Alcides Bernal (PP) ao candidato governista Edson Giroto (PMDB), durante debate na TV Morena, sobre direcionamento da exploração do […]

Arquivo Publicado em 28/10/2012, às 19h47

None

O líder do consórcio CG Solurb Ambiental, Fernando Garcia, informou ao Midiamax que desconhece nota publicada na edição deste domingo (28), no jornal Correio do Estado. A nota de esclarecimento contradiz questionamento do candidato a prefeito Alcides Bernal (PP) ao candidato governista Edson Giroto (PMDB), durante debate na TV Morena, sobre direcionamento da exploração do serviço do lixo em Campo Grande.

Procurado pela reportagem, Fernando esclareceu que não tem conhecimento sobre nota ou qualquer publicação que seja, em nome do consórcio, uma vez que estava em sua fazenda em Rochedo e veio a Campo Grande apenas neste domingo, em razão das eleições.

Nota tenta descredibilizar Bernal, fazendo esclarecimentos mentirosos.

Durante o debate, Bernal citou a licitação bilionária dizendo que esta foi feita “ao apagar das luzes” e vencida por um sobrinho do atual prefeito, Nelsinho Trad (PMDB). A nota publicada no jornal Correio do Estado tenta desmentir os fatos e diz que o processo licitatório do lixo teve início há dois anos e que não há qualquer vínculo de parentesco com o atual prefeito.

Contudo, as informações “supostamente” publicada pelo consórcio vão na contramão do que apurou o MPE (Ministério Público Estadual). Uma das duas empresas que forma o consórcio, a LD, é de propriedade de Luciano Potrich Dolzan, que é casado com filha de João Amorim, irmão de Antonieta Trad, esposa do prefeito.

A licitação avaliada em R$ 1,8 bilhão é alvo de investigação do MPE justamente porque, além do parentesco, a pressa para fechar a licitação, chamou a atenção dos procuradores.

Jornal Midiamax