Polícia / Trânsito

Motorista que matou motociclista em acidente disse ter se ‘desconcentrado’

Homem foi ouvido e liberado sendo indiciado por homicídio culposo e evasão do local de acidente

Thatiana Melo e Dayene Paz Publicado em 14/05/2021, às 11h37

None
(Foto: Leonardo de França)

O motorista que provocou a morte de Carlos Aparecido Galvão, de 54 anos, que morreu após ser atingido por um carro na Rua Coxim, na esquina com a Avenida Consul Assaf Trad, no início da tarde de quinta-feira (13) em Campo Grande, foi ouvido na 2º Delegacia de Polícia Civil.

De acordo com o delegado Enilton Zalla, depois de identificado o motorista prestou depoimento afirmando que acabou se ‘desconcentrando’ no trânsito quando um motociclista apareceu trafegando no sentido contrário ao dele, sendo que nisso acabou atingindo a motocicleta que era pilotada por Carlos.

Carlos chegou a ser arrastado pelo carro por 43 metros. O autor ainda disse em depoimento que fugiu do local do acidente por que uns populares passaram a bater em seu veículo e como estava com seu filho ficou com medo indo embora.

Ele negou estar acima da velocidade para a via como também negou estar embriagado. O motorista foi ouvido e liberado sendo indiciado por homicídio culposo e evasão do local do acidente.

No local do acidente, a filha de Carlos falou com o Midiamax. Ligiane da Silva Galvão, de 27 anos, contou que o pai trabalhava em uma madeireira e estava voltando do almoço. “Não sei nem o que dizer, perdi meu marido e minha sogra há menos de um mês para Covid-19 e agora meu pai”, disse.

Chorando e em estado de choque, Ligiane afirmou que havia discutido com o pai há pouco tempo, mas os dois tinham boa relação. “Brigamos esses tempos e ele veio me pedir perdão”, lembra.

Já o irmão de Carlos, Rubens Galvão, espera que o motorista seja encontrado para esclarecer o motivo de ter fugido sem prestar socorro. “A gente tem que se conformar, não tem o que fazer, é acidente. Só quero que prendam ele logo para sabermos porquê fugiu”, pede.

Jornal Midiamax