Polícia / Trânsito

Na BR-163, equipes fazem simulação de acidente para evitar falhas em atendimento

Uma simulação de acidente na BR-163 em Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (11) envolvendo 16 equipes de socorro, no resgate de vítimas de um acidente entre dois carros e um caminhão com produto de gás, onde havia vazamento serviu para uma análise de como as equipe estão respondendo a este tipo de ocorrência. Todo […]

Thatiana Melo Publicado em 11/11/2020, às 10h43 - Atualizado às 14h59

None
(Marcos Ermínio, Midiamax)

Uma simulação de acidente na BR-163 em Campo Grande, na manhã desta quarta-feira (11) envolvendo 16 equipes de socorro, no resgate de vítimas de um acidente entre dois carros e um caminhão com produto de gás, onde havia vazamento serviu para uma análise de como as equipe estão respondendo a este tipo de ocorrência. Todo o cenário foi montado na noite de terça-feira (10) por equipes da perícia da Polícia Civil.

O Corpo de Bombeiros e equipes do Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) foram acionados para o acidente sem saber que era uma simulação de acidente. O acidente fictício aconteceu entre um carro de passeio, uma camionete e uma carreta, e teria acontecido quando uma camionete bateu em um carro, que tombou na pista lançando para fora do veículo uma vítima socorrida.

Depois de bater no carro, a camionete bateu no caminhão ficando uma vítima pores nas ferragens também sendo socorrida pelas equipes de salvamento, que tiveram de ter um cuidado maior no resgate já que no local havia vazamento de gás.

Estudantes de medicina da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) se voluntariaram para serem as vítimas do acidente, sendo todas socorridas e levadas para a Santa Casa. Uma reunião será feita na sexta-feira (13) para fazer um balanço de como foi a operação como tempo de resposta das equipes no salvamento das vítimas, como as equipes atuaram no acidente, o que pode melhorar.

O Gestor de Atendimento da CCR, De Donno, disse que “fazemos sempre esse treinamento para melhorar o atendimento, porque é um acidente raro de ocorrer, mas quando ocorre pode causar grandes danos. Em seis anos de concessão, foram 21 acidentes desse, envolvendo produtos perigosos”, finalizou.

Segundo a CCR MSVia, a simulação serve para ver como está funcionando os protocolos de atendimento de todas as equipes, PRF, CCR, bombeiros, Samu. “Essa simulação foi toda gravada e também, além de ser analisada depois, é usada em trabalhos de educação para atendimento”, finalizou.

Jornal Midiamax