Polícia / Trânsito

Motociclista morre após colisão com C3 em avenida ‘polêmica’

Um homem identificado como Nilton Lima, de 46 anos, morreu após colisão envolvendo a motocicleta que pilotava, da marca Yamaha, e um veículo Citroëm C3 de cor prata em um cruzamento da Avenida Euler de Azevedo, em frente ao Mercado Modelo.

Guilherme Cavalcante Publicado em 06/05/2018, às 17h57 - Atualizado em 07/05/2018, às 15h30

None

Um homem identificado como Nilton Lima dos Santos, de 46 anos, morreu após colisão envolvendo a motocicleta que pilotava, uma Yamaha R1, e um veículo Citroëm C3 de cor prata na Avenida Euler de Azevedo, em frente ao Mercado Modelo.

De acordo com a BPTran (Batalhão de Polícia Militar de Trânsito), o C3 colidiu lateralmente com a moto ao mudar de faixa na avenida. os dois veículos seguiam pelo mesmo. O motorista do C3 transportava um passageiro pelo app 99 Pop no momento da colisão.

Motociclista morre após colisão com C3 em avenida 'polêmica'
Vítima tinha 46 anos e não resistiu aos ferimentos (Reprodução/Facebook)

Ainda segundo o BPTran, a colisão ocorreu por volta das 13h30 e a vítima chegou a ser atendida por uma ambulância avançada do Samu, sendo conduzida ao UPA Vila Almeida. Porém, o motociclista não resistiu aos ferimentos e faleceu.

A perícia chegou a ser acionada e a via interditada. Nilton Lima era morador do bairro José Abrão e foi candidato a vereador de Campo Grande, em 2016, pelo Partido Progressista (PP). A ocorrência foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento) do Centro.

Avenida polêmica

A Avenida Euler de Azevedo, local onde o acidente ocorreu, tem se tornado alvo de diversas reclamações após terem início as obras de duplicação, em julho de 2016. Para dividir as duas mãos da via, foram instaladas muretas de concreto que, segundo motoristas, dificulta a visibilidade dos carros que vêm no contrafluxo.

Motociclista morre após colisão com C3 em avenida 'polêmica'
(Fotos: Divulgação)

Para moradores da região, a sinalização e iluminação também são deficientes e por isso reivindicam a instalação de semáforos, inclusive no ponto onde Nilton faleceu na tarde do domingo (6). A obra foi contratada pelo governo do Estado e foi orçada em R$ 17,5 milhões.

(Matéria editada às 18h55 para acréscimo de informações)

Jornal Midiamax