Polícia / Trânsito

Quatro comerciantes do acidente com a van continuam sem identificação

Após 17 dias do trágico acidente envolvendo onze comerciantes que morreram na hora na região de Nova Andradina, moradores de Três Lagoas ainda estão chocados com a fatalidade. Em continuidade a divulgação da tragédia do último dia 17 de dezembro em que matou onze pessoas que estavam em uma van – comerciantes do Shopping Popular […]

Arquivo Publicado em 04/01/2014, às 10h49

None
1179470460.jpg

Após 17 dias do trágico acidente envolvendo onze comerciantes que morreram na hora na região de Nova Andradina, moradores de Três Lagoas ainda estão chocados com a fatalidade.

Em continuidade a divulgação da tragédia do último dia 17 de dezembro em que matou onze pessoas que estavam em uma van – comerciantes do Shopping Popular de Três Lagoas, o Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol) de Campo Grande ainda encontra dificuldades para identificar quatro vítimas.

Os outros corpos só serão identificados e liberados para o sepultamento depois que os exames ósseos de DNA ficarem prontos. “Todos os exames estão sendo feitos aqui, mas são muito complexos. Por si só um exame ósseo já é complicado, mas quando o osso é queimado, demora mais ainda”, completa o chefe da Coordenadoria-Geral de Perícias de Campo Grande, Nelson Fermino Júnior.

Os corpos que ainda precisam de identificação, conforme a Coordenadoria de Perícia, são de Maria Marlene de Andrade, Renato Macedo de Araújo, Huang Tasan Ming e Samuel Fernandes de Pinho.

Vítimas – Das 11 vítimas, três tiveram os corpos liberados para a família no dia seguinte. São eles Miguel Benites Meireles, 38 anos, e os comerciantes Adilson Rodrigues de Souza, 45, e Antonio Pereira Carneiro.

Outros três corpos encaminhados para o IML de Nova Andradina também foram identificados por meio da perícia. As vítimas são Aline Queiroz Ferreira, Douglas Alexandre Ferreira e Rafael Moraes da Silva.

Jornal Midiamax