A Polícia Civil, através da DEPCA (Delegacia de Proteção à Criança e ao Adolescente), faz nesta sexta-feira (23) a reconstituição do assassinato do adolescente, de 17 anos, Wandré de Castro Ferreira, morto com um tiro no olho pela vizinha, em um residencial no Jardim Canguru, em setembro de 2023.

A perícia está no local junto com o delegado da DEPCA e policiais do Garras no apoio à reconstituição. Na época do crime, a autora disse à mãe de Wandré que não sabia que a arma estava carregada. “Que a verdade apareça, só isso… meu filho nunca desrespeitou ninguém, eu sou mãe, eu sei o que eu criei. A única coisa que eu quero é que ela tenha decência de falar a verdade. Por mais dolorido que seja, fala a verdade, é tão simples. Eu como mãe penso assim, se você faz algum acidente, é óbvio, qual a primeira coisa que se faz? Chamar socorro. Não na hora que eu gritar, pedir socorro e ela gritar lá da sala que não é para chamar socorro”, disse Sirlene de Castro, 57 anos, mãe de Wandré ao Midiamax.

No apartamento, foi apreendido um revólver calibre 38 e quatro munições intactas. A mãe de Wandré estava em casa quando a filha da autora chegou contando sobre o ocorrido.

Na época do crime, a mãe de Wandré disse querer Justiça para que o filho não seja ‘mais um’ e lembrou como era. “Educado, prestativo. Tudo que você pedia, ele fazia. Não sabia falar não para ninguém. Meu filho era maravilhoso”, descreveu a mãe.