Mayron César de Souza, de 32 anos, que morreu durante confusão em uma boate em Campo Grande, na madrugada deste domingo (19), já cumpriu pena de um ano por tráfico de drogas. 

Conforme registros policiais da época, em 13 de agosto de 2014, ele e um amigo foram abordados por policiais militares em um ônibus de viagem na BR-060, no sentido Jardim – Bela Vista. Os agentes encontraram 4 quilos e 170 gramas de maconha, além de R$ 250 em espécie e um aparelho celular. 

Na época, Mayron disse que levaria a droga de Bela Vista para ser vendida em Campo Grande, no Bairro Taquarussu e região. Ele também se responsabilizou pela maconha e disse que o amigo era inocente. 

Morto em boate e policial ferido

Mayron foi morto durante uma confusão em um estacionamento de uma boate na Avenida Ernesto Geisel, em Campo Grande. A briga terminou com um policial ferido a tiros e Mayron Cesar da Costa de Sousa, de 32 anos, morto depois de atirar contra clientes no local.

Informações são de que, o policial foi até a boate para buscar a namorada por volta das 3 horas da madrugada, e ficou conversando com o promoter de boate no estacionamento, quando Mayron chegou em uma motocicleta junto de uma mulher estacionando em local proibido.

O promoter teria advertido o homem a estacionar em outro local, quando Mayron começou a discutir dizendo que iria na casa dele buscar uma arma e voltaria para ver quem ‘era os bravos’. Nisto, ele foi embora, mas momentos depois voltou.

Armado, ele passou a discutir novamente e atirou contra os clientes que estavam no estacionamento. Um dos tiros atingiu o policial na perna, que revidou os disparos atingindo Mayron. A dona do estacionamento relatou aos policiais, que o autor chegou ao local pedindo para guardar o capacete, e quando informado do preço não gostou e começou a discutir. 

A esposa de Mayron relatou que depois da briga na guarita do estacionamento, o marido voltou em casa para buscar a arma e retornar à boate e quando chegaram só ouviu os disparos. O policial ferido está hospitalizado na Santa Casa e passará por cirurgia.

Fale com o Midiamax

Tem alguma denúncia, flagrante, reclamação ou sugestão de pauta para o Jornal Midiamax? Envie direto para nossos jornalistas pelo WhatsApp (67) 99207-4330. Acima de tudo, o sigilo é garantido por lei.

Acompanhe nossas atualizações no Facebook, Instagram e Tiktok.