Uma mulher grávida de 27 anos, presa nessa terça-feira (18), com 83 quilos de maconha em residência no Jardim Aeroporto em Campo Grande, foi liberada com uso de tornozeleira eletrônica na manhã desta quarta-feira (19).

Ela estava presa na Denar (Delegacia Especializada de Repressão ao Narcotráfico), após a polícia descobrir um entreposto de maconha, no bairro Jardim Aeroporto, área oeste da Capital. A suspeita estava responsável por guardar o entorpecente.

Além do uso da tornozeleira eletrônica, que deverá ser cumprida por 180 dias, a acusada deverá cumprir prisão domiciliar no período noturno, das 19 horas às 5 horas. Nos dias de folga e finais de semana, o recolhimento deverá ser cumprido em período integral. A exceção são em casos de urgência médica em razão da gravidez, que deverá ser comprovada em um prazo de cinco dias após o fato.

A justiça também determinou que a mulher seja encaminhada ao Caps (Centro de Atenção Psicossocial Álcool e Drogas), devendo comparecer voluntariamente no local.

Entenda o caso

Após a denúncia de que em uma casa, em uma vila de quitinetes, havia drogas escondidas, os policiais foram até a residência por volta das 18 horas e ao olharem por cima do muro, puderam perceber resquícios de embalagens de drogas. 

Uma janela estava aberta e foi possível ver que em cima de uma cama e no chão estavam vários fardos de maconha. Neste momento, os policiais entraram na casa, onde encontraram 83 quilos de maconha. Testemunhas contaram que era um entra e sai de várias pessoas na residência.

A suspeita disse que estava guardando a maconha a pedido do namorado. De acordo com informações, a droga seria levada da casa por um grupo, mas os criminosos acabaram presos em Chapadão do Sul e por isso a maconha ainda estava na casa. 

A grávida disse que aceitou guardar a droga para receber o dinheiro para pagar o aluguel. Ela ainda revelou que já cumpriu pena por seis meses em 2022, pelo crime de tráfico de drogas.